Propagandas na seção Status do aplicativo começariam a partir de 2020. Foto: Pixabay.

O Facebook cancelou o plano de incluir anúncios no WhatsApp e dissolveu a equipe criada para explorar as melhores maneiras de fazer a integração de propaganda no aplicativo de mensagens.

De acordo com o site Business Insider, o Facebook havia dito que o WhatsApp começaria a colocar anúncios na seção Status do aplicativo a partir de 2020.

Com a mudança de planos, o WhatsApp deve se concentrar na comunicação de empresas com clientes, além de oferecer serviços de pagamento para outros países, conforme confirmou um porta-voz do Facebook ao site. 

A fonte ainda disse ao Business Insider que os anúncios continuarão sendo uma oportunidade de longo prazo, mas não estarão sujeitos a um cronograma específico.

Segundo o Wall Street Journal, a mudança nos esforços do Facebook para monetizar o aplicativo é surpreendente, particularmente acontecendo em um de seus serviços mais populares.

O Facebook adquiriu o WhatsApp por US$ 22 bilhões em 2014 e, desde então, procura maneiras de capitalizar com a base 1,5 bilhão de usuários de da empresa. 

A decisão acontece mais de 18 meses depois que Brian Acton e Jan Koum, co-fundadores do WhatsApp, deixaram a empresa.

Os dois eram contra os anúncios muito antes do Facebook manifestar interesse em comprar o aplicativo, chamando-os de "interrupção da estética, insultos à sua inteligência e interrupção da sua linha de pensamento" em postagem de 2012, de acordo com o Business Insider.

Com o esforço do Facebook para trazer anúncios para o aplicativo, os co-fundadores teriam entrado em conflito com o CEO Mark Zuckerberg e com a COO Sheryl Sandberg, o que seria o motivo da renúncia de Acton em 2018.