Fábio Branco, secretário de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia do RS. Foto: Divulgação.

A Fundação de Amparo à Pesquisa do Rio Grande do Sul (Fapergs), por meio dos programas de Bolsas de Iniciação Científica (Probic) e de Bolsas de Iniciação Tecnológica (Probiti), vai investir R$ 9,6 milhões em pelo menos 1,9 mil estudantes de graduação.

Os recursos serão divididos em R$ 8 milhões para Probic e R$ 1,6 milhão para Probiti.

Mesmo com uma queda de 4% - em 2014, o valor investido em bolsas de iniciação científica e tecnológica foi de R$ 10 milhões - a área é uma da que escapou dos cortes maiores que estão em curso no estado.

O governador Sartori (PMDB) ainda não anunciou publicamente os cortes, mas as informações que circulam na imprensa falam numa tesourada de 25% a 40% nas despesas de custeio, dependendo de cada secretaria.

A Fapergs está vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia (SDECT), que poderá ter cortes em outros projetos.

Com a própria formação da SDECT, a área de ciência e tecnologia sofreu um “corte” logo no início do novo governo, com a extinção da Secretaria de Ciência, Inovação e Desenvolvimento Tecnológico (SCIT). 

Mesmo estando na secretaria, ainda está indefinido qual será o espaço que o setor de ciência e tecnologia terá dentro da nova estrutura.

Atualmente, quadros das antigas Secretaria de Desenvolvimento e Promoção do Investimento (SDPI), da SCIT e da Economia Solidária e Apoio à Micro e Pequena Empresa (Sesampe) estão participando de “oficinas setoriais” que visam contribuir para a composição da nova SDECT.