TENDÊNCIAS

A transformação digital bate na porta

17/03/2016 15:49

Mais do que digitalizar processos, operar o back office ou suportar a operação, software pode servir para abrir áreas de negócio.

Chakib Bouhdary

Tamanho da fonte: -A+A

O CIO precisa se reinventar para manter algum protagonismo no cenário empresarial dos próximos anos, no qual a tendência de transformação digital transfere decisões de tecnologia para o topo das empresas.

A chamada transformação digital significa que, mais do que digitalizar processos, operar o back office ou suportar a operação, software pode servir para abrir áreas de negócio e possibilidades de expansão para as organizações.

Durante o SAP Fórum, evento nacional da SAP que reuniu 6 mil executivos em São Paulo nessa semana, o chefe de transformação da empresa, Chakib Bouhdary e o presidente da divisão de Cloud da empresa, Pat Bakey, mostraram que o tema está no coração da agenda da multinacional alemã para o futuro.

“Inovações sobre modelo de negócios são a agenda do CEO. Ele não pode delegar isso para o CIO ou o CFO”, destacou Bouhdary durante o seu keynote.

Bouhdary deu diversos exemplos de como o processo está mudando o cenário de negócios, desde movimentações conhecidas como a entrada do Google no mercado automobilístico.

Outros deles nem tanto tanto, como a nova abordagem de gigantes de equipamento industrial como a Siemens, que já oferecem a possibilidade para seus clientes de contratar geração de energia, deixando toda a administração do maquinário com a empresa.

Tecnologia, por tanto, está indo para o centro dos debates. Para o CIO ir junto, ele precisa mudar o seu mindset e acompanhar as tendências que estão forjando o novo cenário, aponta Bakey.

“Essa mudança ainda não é pervasiva em todas as indústrias, mas o que está claro é que os líderes de cada setor estão em busca da sua estratégia digital”, comenta Bakey. ”As áreas de TI precisam ser vistas como possibilitadores dessas mudanças e não bloqueadores”, agrega o executivo.

De acordo com Bakey, a própria SAP mudou nesse processo, deixando a “zona de conforto” em torno de lançamentos anuais de novos releases para cair de cabeça no mundo do software na nuvem.

“O mundo de planos estratégicos de cinco anos e operacionais de cinco acabou”, resume o executivo.

Maurício Renner cobriu o SAP Fórum em São Paulo a convite da SAP.

Veja também

BANCO DE DADOS
Microsoft: SQL Server para Oracle

Com manobra, Microsoft quer diminuir a diferença em relação à base de clientes da Oracle.

SUCCESS FACTORS
Data center da SAP vai sair

Centro de dados sai até o terceiro trimestre de 2016.

OFERTA
Sonda IT e Microsoft: nuvem híbrida na AL

Integradora quer reforçar posicionamento da empresa como uma provedora de serviços gerenciados em nuvem.