Impressão 3D: pequenos objetos, grandes negócios. Foto: flickr.com/photos/creative_tools

A 3D Systems, gigante americana de impressão 3D, anunciou nesta quarta-feira, 16, a compra da sua maior distribuidora no Brasil, a paulista Robtec.

Com o acordo, 70% das ações da Robtec passam a pertencer à companhia norte-americana, enquanto os outros 30% serão repassados daqui a cinco anos.

“Vamos repassar todo nosso conhecimento sobre o mercado, e quem ganha com isso é o consumidor, que terá toda a gama de produtos da 3D Systems disponível em todos os países que atendemos”, diz Pablo Elenter, co-fundador e presidente da Robtec.

Em nota, a 3D Systems promete um “grande investimento” em equipamentos e “mais facilidade no acesso ao que há de melhor em tecnologia para os mercados de impressão 3D, automobilístico e aeroespacial”.

A Robtec atua há duas décadas como distribuidora da 3D Systems na América Latina e atende clientes como Embraer, GM, Volkswagen, Ford, Fiat, Renault, PSA, Visteon, Mercedes, Honda, Toyota, Whirlpool, Submarino e Saraiva.

A empresa possui escritórios no Uruguai, Argentina, México e China. Além da 3DSystems, a Robtec também representa a GOM, SLM e Materialise. 

O anúncio acontece um mês depois da Stratasys, a principal concorrente da  3D Systems, anunciar a contratação de Rogério Braz de Quadros, um dos fundadores da Robtec para ser seu novo gerente de mercados verticais.

O executivo gaúcho tem mais de 20 anos de experiência no universo de impressão 3D. Antes de criar a Robtec, Quadros atuou na Sycad e na Steinbichler GmbH América do Sul.

No Brasil, a Stratasys está presente desde 2012 dado a fusão com a Object. Uma das maiores revendas no país é a gaúcha SKA, em São Leopoldo.

Tanto a 3D Systems quanto a Stratasys estão passando por um momento de crescimento acelerado – e pouco lucro.

A 3D Systems faturou US$ 513 milhões em 2013. No último trimestre do seu ano fiscal, encerrado em feverero de 2014, o faturamento foi de US$ 154 milhões, mas o lucro ficou em US$ 11,2 milhões. Apesar de pequeno, o resultado representa uma alta de 53%.

A projeçãos da empresa é chegar em US$ 1 bilhão de faturamento em 2015.

Em 2012, último ano com resultados divulgados, a Stratasys fechou com um prejuízo de US$ 21,6 milhões, queda de 30% em relação ao mesmo período de 2011.  

A receita aumentou em 30% para US$ 359 milhões. As projeções para o ano fiscal 2013 apontam faturamento entre US$ 470 milhões e US$ 490 milhões.