A roda, de acordo com a Apple.

A Apple é conhecida por cobrar mais caro por seus produtos, o que para alguns é um valor premium a ser pago por design de primeira, qualidade de hardware e a grife Apple, e para outros é só uma forma de faturar em cima de incautos.

Talvez seja chegado o momento em que todos possam se unir numa avaliação uníssona: a Apple acaba de lançar um kit com quatro rodinhas para o seu novo desktop Mac Pro ao preço de US$ 699 (R$ 3,6 mil se o produto for comprado nos Estados Unidos, provavelmente muito mais quando for lançado no Brasil).

A Apple é conhecida por levar ao público de massa tecnologias que falharam na mão de outras empresas, como o celular com tela touchscreen, mas nem mesmo os gênios em Cupertino parecem capazes de melhorar muito a roda, um invento que acompanha a humanidade desde 5,5 mil anos ou mais, dependendo para que arqueólogo você pergunte.

A empresa se limita a afirmar que as rodas, feitas de de aço inoxidável e borracha, são “projetadas para facilitar a movimentação do Mac Pro, deslizando-o por baixo sua mesa ou em seu estúdio”.

Se adquiridas como um opcional do Mac Pro, as rodinhas saem por US$ 400.

O novo Mac Pro, lançado no final do ano passado, é superlativo em preços para tudo.

O computador para profissionais começa em US$ 5.999 nos Estados Unidos e sua versão mais parruda sai por US$ 52.599. 

No Brasil, com o dólar batendo em R$ 5,26, os preços ficam em R$ 55.999 o modelo básico, e R$ 439.200 top de linha.