Exército investe em equipamentos da Motorola. Foto: divulgação.

O Exército Brasileiro anunciou nesta quinta-feira, 16, a compra de tecnologias de rádio da Motorola Solutions, que serão utilizadas na segurança durante a Copa das Confederações, em junho.

Com a solução, cada estado terá visualização local, mas todo o monitoramento poderá ser feito pelo Exército em Brasília, de onde será possível acessar todas as posições e localizações das tropas, por meio do sistema de GPS dos próprios rádios.

O contrato contempla a compra de rádios dos modelos APX2000, XTL e XTS.

Os sistemas digitais de radiocomunicação de voz criptografada também serão utilizados na Copa do Mundo de 2014, podendo haver expansão, de acordo com as necessidades do evento.

O sistema fará a cobertura, principalmente, em pontos considerados críticos, como os estádios e arenas, os centros de treinamento das equipes, hotel em que as delegações estarão hospedadas e aeroportos.

Em locais mais distantes, sem cobertura da rede, serão utilizadas soluções móveis (repetidoras), que permitem a criação de uma rede para comunicação segura.

Com as soluções adquiridas, o Exército poderá exercitar o comando e controle de seus efetivos e cumprir com eficácia as missões pelas quais será responsável na Copa das Confederações.

O projeto, cuja primeira etapa começou em abril nas seis sedes da Copa das Confederações - Brasília, Fortaleza, Recife, Belo Horizonte, Salvador e Rio de Janeiro - já está em fase de implementação e tem previsão de término para o fim de maio de 2013.

Para o comandante de Comunicações e Guerra Eletrônica do Exército, general Santos Guerra, como a Copa das Confederações é um pré-evento para a Copa do Mundo, a primeira fase servirá para pôr em prática os planejamentos para 2014.

É importante ressaltar ainda que todos os equipamentos ficarão como legado, que será extremamente útil para as determinações de nossa presidenta, além dos limites dos grandes eventos”, diz.

HISTÓRICO

Este é o segundo contrato que a Motorola Solutions firma com a instituição em um ano. Em maio do ano passado, a companhia investiu US$ 2 milhões em um projeto de testes de soluções de segurança pública LTE (4G) junto ao Exército.
 
Os testes envolveram soluções de vigilância via rede de banda larga móvel, como a transmissão de dados gravados por câmeras em tempo real para telas de salas de monitoramento do Exército.

Além destas iniciativas, o Exército vem investindo pesado em tecnologia para renovar suas operações.

Recentemente, o centro militar lançou, em parceria com a integradora Decatron, o Simulador Nacional de Operações Cibernéticas (Simoc), software para gestão de treinamentos militares em ações contra cibercrimes.

Antes disso, em 2010 a instituição firmou um contrato envolvendo 37,5 mil licenças de software, treinamento de 700 oficiais e suporte e cooperação tecnológica com a Panda Security, o que em 2012 foi substituído pela plataforma BluePex AVware, em um projeto de R$ 6 milhões.