TRANSFERÊNCIAS

Rendimento é 1° na nuvem do Ripple

17/06/2020 08:24

Instituição brasileira entre num grupo pequeno em nível mundial.

Mercado de câmbio está mudando muito. Foto: https://www.flickr.com/photos/peterscherub/

Tamanho da fonte: -A+A

O Banco Rendimento, uma das instituições mais ativas no mercado de câmbio no país, é a primeira empresa no Brasil a usar a solução de pagamentos com blockchain da Ripple inteiramente na nuvem.

Em todo mundo, a tecnologia é usada por “duas dúzias” de instituições financeiras, destaca a Ripple em nota. A lista inclui nomes como a MoneyGram, uma das maiores empresas de transferências de dinheiro do mundo.

O serviço permite o envio e recebimento de pagamentos entre instituições financeiras que integram a RippleNet. Até o momento, aproximadamente 30% do volume de transações da Ripple fluem através da nuvem, o dobro do que no início do ano.

O Banco Rendimento, que ingressou na RippleNet em 2019, é pioneiro no mercado de pagamentos internacionais no Brasil.

“Os clientes agora podem desfrutar de mais transparência e navegação mais fácil para enviar pagamentos e negociar. A RippleNet também nos permite acessar parceiros globais, oferecendo uma solução padronizada e garantindo que os processos de integração e onboarding sejam desconectados”, diz Jacques Zylbergeld, superintendente de FX do Banco Rendimento. 

A Ripple é criadora da XRP, terceira maior criptomoeda do mundo em capitalização.

O Brasil é um mercado importante para a empresa, responsável por 30% das  operações da empresa no mundo. 

No ano passado, a companhia abriu um escritório local, comandado por Luiz Antonio Sacco, que nos anos 90 foi executivo da IBM e desde então passou por empresas do segmento financeiro como American Express, Bradesco Cartões e SafetyPay.

A Ripple está de olho no potencial do mercado brasileiro, no qual transferir dinheiro para outros países ainda é na maioria das ocasiões um processo caro e demorado.

Segundo dados divulgados pela Exame em 2016, no Banco do Brasil, por exemplo, a transação custava entre R$ 100 e R$ 450, conforme o valor enviado. 

Na Caixa, custava entre US$ 30 e US$ 100. No Santander, o valor mínimo era de R$ 90, mas depende do relacionamento do cliente com o banco.

As altas margens de lucro dos bancos atraíram para esse mercado uma série de fintechs, com modelos de negócios diferentes para transferir dinheiro - e taxas bem menores. 

Uma das maiores entre elas é a Transferwise.

Criada em 2011 no Reino Unido por Taavet Hinrikus, o primeiro funcionário do Skype, a empresa iniciou no mercado com um sistema que casa a necessidade de dólares de um brasileiro com a de reais de um inglês, por exemplo. 

Já foi apelidada como o “Uber cambial”, por conectar pessoas e suas necessidades. Depois foram agregadas funções de transferências internacionais diretas, sempre focando em custos baixos.

O problema é que embora a Transferwise tenha taxas competitivas, a transferência envolve a geração e pagamento de um boleto, ou uma transferência a uma conta de banco intermediária, uma operação que pode demorar alguns dias para concluir e deixa um usuário de primeira viagem inseguro.

Agora, os bancos buscam reagir, como parece ser o caso do Rendimento e até de instituições bem maiores como o Itaú, Bradesco e Santander, que lançaram serviços mais rápidos e baratos no ano passado.

Veja também

FINTECH
Lendico Brasil contrata novo CTO

Com mais de 20 anos de experiência, Marcelo Negrini já passou por empresas como Microsoft e IBM.

JOGADA
Senior entra na onda fintech

Wiipo terá soluções financeiras para pessoas físicas e jurídicas baseada na folha.

CONTRATAÇÃO
Valid Certificadora tem novo head de operações

Mauricio Valim, ex-CEO da Paggi, também atuou em startups como Vá de Táxi e Easy Taxi.

FINTECH
Click Cash recebe aporte de R$ 2,5 milhões

Este já é o segundo valor captado pelo aplicativo lançado em março deste ano.

FINTECH
Meu Tudo capta R$ 12 milhões

Marketplace de crédito consignado recebeu investimento da Domo Invest e dos próprios sócios.

ATM
Renner: pagamento da fatura no Saque e Pague

Necessidade de usar caixas eletrônicos surgiu com as lojas fechadas por conta da pandemia.

APORTE
Santander InnoVentures investe na a55

Fintech brasileira de empréstimos para PMEs recebeu US$ 5 milhões de diversos investidores.

FINTECHS
PayPal terá solução de crédito com Captalys

Ideia é oferecer opções totalmente on-line para MEIs e PMEs brasileiras.

TRABALHO
Nubank libera home office até o final do ano

Depois de Facebook, Twitter e Salesforce, a moda está pegando no Brasil.

MOVIMENTO
Pereira, ex-C6, é o novo CDO da Zup

CDO foca em dados. Zup é uma empresa quente, comprada pelo Itaú no ano passado.

FINTECH
Oi e Conta Zap criam carteira digital

Solução, que funciona via WhatsApp, está sendo utilizada em ação social relacionada à pandemia.

REAÇÃO
Arezzo vira case na crise com tecnologia

Companhia acelerou muito as vendas online dobrando o volume de vendas em dois meses.

OSCILAÇÃO
Nubank falha em pagamento de boletos

Após serem confirmadas, transações atrasaram por erro na comunicação com servidores nacionais.

PAY
Google pode ter cartão de débito próprio

Meio de pagamento deverá ser vinculado ao banco em que o usuário já possuir conta.