Carlos Bondan. Foto: divulgação.

Um projeto da UPF alinhará recursos online e pesquisa para informar e fiscalizar a qualidade do leite fornecido pelos pecuaristas do estado e regiões vizinhas.

Criado pelo Serviço de Análise de Rebanhos Leiteiros (Sarle) da universidade, o projeto resultou na criação do Portal Vertical, um site dedicado a disponibilizar informações para toda a cadeia produtiva do leite - indústrias e produtores rurais.

O trabalho foi capitaneado pelo coordenador do Sarle, Carlos Bondan, que teve a ideia em 2009, em uma tentativa de melhorar a consulta dos resultados dos testes de qualidade do leite.

Para seguir adiante, o projeto recebeu uma verba de R$ 100 mil da Secretaria de Ciência, Tecnologia e Inovação, que foi usado na implantação de um sistema de gestão integrado ao portal. O trabalho foi terceirizado junto à GT Tecnologia, de Passo Fundo.

"Todo leite que as indústrias compram do produtor primário precisam de amostras avaliadas mensalmente em laboratórios como o nosso, segundo determinação do Ministério da Agricultura. Com o portal, nossa ideia é facilitar para os produtores e empresas o acesso a estes resultados", explica.

De acordo com Bondan, o país conta com cerca de dez laboratórios que oferecem o mesmo tipo de serviço. No Rio Grande do Sul, existem mais dois - um em Lajeado e outro em Pelotas.

No entanto o Sarle, que opera desde 1997, é o mais antigo, contando com cerca de 70 mil produtores, ligados a diferentes cooperativas e indústrias de laticínios gaúchas e de Santa Catarina.

O Rio Grande do Sul é o segundo maior produtor de leite do país, com mais de 3,634 bilhões de litros anuais, segundo dados do IBGE, significando 12% da produção nacional. São produzidos diariamente em torno de 9,956 milhões de litros de leite.

COMO FUNCIONA

Para utilizar o serviço, empresas, produtores e cooperativas podem se cadastrar para ter acesso aos seus resultados. Segundo destaca Bondan, cada produtor e empresa tem acesso somente aos testes de seus próprios produtos. Os resultados não são compartilhados.

"Os produtores podem comparar a qualidade de seu leite a uma média feita pelo próprio software de gestão do site, para saber se pode manter ou se deve melhorar as condições de sua produção", ressalta.

Segundo explica Bondan, se algum índice da amostra como, por exemplo, gordura, proteínas ou contagem bacteriana, estiver fora do ideal, os produtores recebem apontamentos de como o problema pode ter ocorrido e sugestões para solucionar a inconformidade.

O portal também conta com recursos de georreferenciamento para identificar quais os produtores, em quais municípios, microrregiões ou regiões encontram-se os problemas de qualidade e quais os problemas em questão.

Para Bondan, iniciativas como o Portal Vertical tem objetivo de profissionalizar e aumentar a qualidade da produção primária de leite, uma determinação do governo federal, que ainda tem problemas para contornar este problema, segundo atesta Bondan.

"Ainda temos muitas coisas para melhorar em nossa produção de leite, e esperamos que esta ferramenta ajude a trazer um salto de qualidade e competitividade no leite produzido aqui no estado", destaca.