Cynthia Bianco

A MicroStrategy, provedora de software de BI corporativo, está fazendo uma investida no mundo dos softwares de visualização de dados e implantações  self-service em âmbito departamental.

A empresa desmembrou o seu “mini BI”, o Dashboard, de maneira em que ele possa ser vendido de maneira independente da plataforma corporativa a partir da versão 10.

Até então, só tinham acesso ao software clientes da versão corporativa. O licenciamento do software na versão stand alone custará US$ 600.

“Essa abordagem nos permitirá abrir portas em empresas menores ou departamentos que queiram conduzir implantações independentes da sua área de TI”, explica Cynthia Bianco, presidente da  MicroStrategy.

De acordo com Cynthia, inicialmente o canal da MicroStrategy no país fará as vendas do software na versão independente.

Hoje, são parceiros MicroStrategy no país a Deliver IT e a DBC Company em Porto Alegre. Sysvision, Vip, B2T, Leega, Trend, NTT, Maxtera cobrem o eixo Rio-São Paulo e Brasília. 

A meta é criar os primeiros cases e disseminar o conhecimento do software no mercado. Em 2016, a empresa reavaliará a estratégia de canal no país, eventualmente podendo incluir parceiros só para a nova oferta.

É o que deve acontecer. A Qliktech, empresa que cresceu muito no Brasil nos últimos anos com a mesma abordagem na qual a MicroStrategy está entrando agora, tem três distribuidores no país, com dezenas de canais associados cada um.

Outro competidor forte é a Tableau, que ainda está constituindo um canal mais efetivo no país, mas tem a favor o hype infinito em torno da sua solução, que tem surfado na onda do Big Data.

Além disso, a MicroStrategy podou mais da metade do seu canal no país no último ano: em julho de 2014, o número de parceiros era 15.

Cynthia enfatiza que, ao entrar nesse novo mercado, a multinacional levará uma abordagem mais forte do ponto de vista de gerenciamento de identidade e segurança que os seus concorrentes.

Agora é ver se a MicroStrategy será capaz atuar em dois mundos. A empresa é a sobrevivente do mercado de BI corporativo, que foi dizimado por aquisições da SAP, IBM e Oracle há alguns anos.

Fundada nos anos 90 na Suécia, a Qlik abriu capital em 2010 nos Estados Unidos e é um player consolidado, com faturamento de US$ 556,8 milhões em 2014, uma alta de 14% frente ao ano anterior. 

A Tableau vem chegando perto, crescendo 78% no ano passado, para atingir US$ 412,6 milhões. 

A MicroStrategy ainda é maior, mas por pouco: faturou US$ 576 milhões, um resultado estagnado desde 2011.