Alexandre P. Dias Beheregaray, diretor comercial da Portosys.

A Portosys, uma fábrica de software sediada em Porto Alegre, está apostando no software de gestão da sueca IFS para crescer nos próximos anos.

A empresa acaba de criar um hub interno, com 20 funcionários, cerca da metade do time da empresa, focados em projetos internacionais e em implantação de ERP da IFS. 

Até 2020 o número deve dobrar e a Portosys espera investir R$ 500 mil, principalmente em capacitação interna.

A Portosys tem uma longa história com IFS, iniciada em 2001. Na época, a multinacional comprou uma empresa sediada em Porto Alegre que trabalha com a sua tecnologia, para reforçar a presença no país. 

A companhia foi transferida para São Paulo. Alguns funcionários não quiseram se mudar e abriram a Portosys, tendo como primeiro cliente justamente a IFS, para cujos clientes a empresa fazia desenvolvimento customizado e suporte.

Os sócios fundadores da empresa conhecem todas as versões do sistema, tendo feito ao longo dos anos os ajustes necessários para questões fiscais, por exemplo. 

Atualmente, a empresa atende 50 clientes da IFS, número que é uma parte importante da base implantada no Brasil e inclui alguns clientes de fora do país na Espanha e Portugal.

“A criação do Portosys Labs é um movimento natural da companhia. Percebemos que era o momento ideal para expandir nossa estrutura e aproveitar as novas oportunidades de negócios”, afirma Alexandre P. Dias Beheregaray, diretor comercial da Portosys.

Um dos maiores desafios da empresa é o recrutamento de profissionais, uma vez que não existe um mercado de consultores com conhecimento em IFS em Porto Alegre, e mesmo o brasileiro não deve ser tão grande.

A Portosys contornar essa situação investindo em capacitação, formando uma equipe que é um misto de profissionais mais experientes com conhecimento em Oracle Forms e Reports (o IFS funciona sobre banco de dados Oracle) e jovens ainda na faculdade, para quem a companhia ensina a tecnologia quase do zero.

O investimento da Portosys acontece em paralelo com a movimentação da IFS, que nos últimos tem investido em fazer mais negócios através do seu canal e menos diretamente desde 2015.

A estratégia parece estar dando resultados. A empresa fechou o ano passado com um faturamento de US$ 606 milhões, um salto de 23% frente aos resultados do ano anterior.

É um crescimento bem acima dos players mais consolidados no mercado de ERP, ainda que também seja verdade que a IFS é uma empresa pequena frente a uma SAP.

A empresa tem a seu favor ser orte em segmentos como aviação, energia, óleo e gás e manufatura complexa nas quais os clientes lidam com ativos que precisam ser gerenciados por longos períodos de tempo.

É aí que faz diferença a oferta dos seus sistemas de gestão somados a linhas de software de gerenciamento de ativos (EAM) e gestão de serviços (ESM), que permitem a esse tipo de clientes administrar seus negócios de maneira diferente do que fariam com base nas soluções de gestão da concorrência.