Unidade da Motorola Mobile em Jaguariúna/SP. Foto: divulgação.

Os cortes anunciados pelo Google na Motorola Mobility terão repercussão sobre o Brasil. A empresa vai mandar embora 220 funcionários de Jaguariúna, interior de São Paulo

De acordo com o Sindicato dos Metalúrgicos de Jaguariúna e Região (SindMetal), a confirmação partiu da própria Morotola, que a partir deste mês iniciará a demissão nas áreas administrativa, de engenharia e supervisores das áreas de produção.

Quanto ao setor produtivo da fábrica, ainda não há informações sobre dispensas.

Em conversa com a empresa de hardware, o Sindicato tentou convencer a empresa a reconsiderar a decisão e preservar os empregos. Uma das sugestões foi a criação de um Plano de Demissão Voluntária (PDV) na unidade.

Mesmo com a negociação, o sindicato  foi informado de que a ordem vinda dos Estados Unidos era clara e irreversível. O SindMetal passou, então, a negociar um pacote de benefícios para minimizar os prejuízos, afirma a entidade.

O acordo prevê que funcionários efetivos que forem dispensados sem justa causa entre os dias 15 de agosto e 14 de setembro tenham acesso a um pacote especial de rescisão que se somará às verbas legais que o trabalhador tem a receber ao ser demitido.

Outro item conquistado é a extensão da cobertura do plano médico pelo período de quatro meses contados a partir da data da demissão, afirma o SindMetal.

A empresa comprometeu-se também a dar suporte aos ex-empregados na preparação para o processo de recolocação profissional, por meio de consultoria externa.

REDUZINDO OPERAÇÕES

No início da semana, o Google anunciou cortes na Motorola Mobility, empresa fabricante de telefones e aparelhos móveis, iria receber cortes de 20% na sua força de trabalho e fechar cerca de 30% de seus escritórios ao redor do mundo, saindo de mercados menos lucrativos e também reduzindo sua linha de aparelhos.