Testes foram feitos para o uso na Copa do Mundo. Foto: flickr.com/photos/thiagomelo.

Motorola Solutions e Exército Brasileiro utilizaram soluções de segurança pública baseadas na rede LTE (Long Term Evolution), implementada na frequência de 700 MHz.

O teste começou em maio de 2012, em Brasília, com um investimento de US$ 2 milhões da Motorola.

Desde então, foi utilizado no desfile de 7 de setembro, na Copa das Confederações e durante as manifestações. O objetivo é encontrar alternativas para melhoria da segurança no país. 

“Estamos satisfeitos com os resultados obtidos até o momento, pois podemos oferecer respostas mais rápidas em situações críticas. Temos certeza de que todas essas soluções permitirão que o Brasil se torne referência em segurança nos grandes eventos que vai sediar”, ressalta o comandante de Comunicações e Guerra Eletrônica do Exército, general Santos Guerra.  

As informações são enviadas do campo para a salada de controle do Exército por meio de vídeo, PTT (VoIP), mensagens de texto, acesso a aplicações na web.

O sistema fará a cobertura, principalmente, em pontos considerados críticos, como os estádios e arenas, os centros de treinamento das equipes, hotel em que as delegações estarão hospedadas e aeroportos.

A tropa pretende solicitar à Anatel a renovação de licença de uso na faixa de 700 MHz. A ideia é aproveitar as experiências desse ano para a Copa do Mundo.

Da mesma forma, há a pretensão de unir outros serviços do setor público para testar uma rede compartilhada e o uso da rede 4G. 

No primeiro trimestre de 2013, a Motorola Solutions registrou um lucro líquido de US$ 192 milhões, crescimento de 22% sobre o mesmo período em 2012.

A companhia relacionou o resultado ao desempenho da divisão de governo - soluções de comunicação e missão crítica - que registrou um avanço de 3% em sua receita no período, para US$ 1,3 bilhão, expansão que compensou a queda de 4% nas vendas para o mercado empresarial.

Para 2013, a projeção é de um crescimento de 3% a 4% na receita.