Equipe quer identificar as regiões prioritárias para ações de conservação da fauna. Foto: Maria Komar/Shutterstock.com

O Urubu Mobile, aplicativo que tem o objetivo de mapear os atropelamentos de animais selvagens nas estradas, agora está disponível para usuários de aparelhos com sistema operacional iOS

A ideia da ferramenta é obter um banco de dados com as informações recebidas pelos usuários para verificar quais são as regiões prioritárias para ações de conservação da fauna. 

Com a disponibilidade para usuários do sistema iOS, a equipe espera ampliar o alcance do banco de dados, que conta com três mil pessoas cadastradas. 

“Estamos muito satisfeitos com esse resultado e esperamos crescer ainda mais agora, alcançando cinco mil usuários até novembro. Quanto mais pessoas participarem, mais conhecimento será gerado”, explica Alex Bager, idealizador do projeto e oceanólogo da Universidade Federal de Lavras.

Outra pretensão da equipe responsável pelo app é gerar ações efetivas de proteção para os milhares de animais que morrem anualmente nos mais de dois milhões de quilômetros de estradas e ferrovias do país.  

O aplicativo foi lançado em abril deste ano, inicialmente para plataforma Android, e foi realizado por pesquisadores da Universidade Federal de Lavras, em Minas Gerais, em parceria com a Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, a Tetra Pak e o TFCA/Funbio.  

Para utilizar o sistema, é preciso fazer o download do aplicativo gratuitamente e fazer um cadastro na sequência. Após isso, ao encontrar um animal silvestre atropelado, basta fotografá-lo para que a posição geográfica e a data sejam marcadas automaticamente. 

Uma equipe multidisciplinar faz a identificação das espécies registradas. 

A compilação dos dados enviados pelos usuários oferecerá um panorama sobre os principais locais de atropelamento de fauna no país e quais as espécies mais envolvidas em acidentes. 

Essas informações serão compartilhadas com órgãos governamentais e concessionárias de rodovias, de modo a subsidiar políticas públicas e ações práticas mais efetivas de conservação.

Segundo Bager, todos os anos mais de 450 milhões de animais selvagens são atropelados nas estradas brasileiras. A maior parte dos atropelados são animais pequenos - 390 milhões de sapos, pererecas, cobras, ratos, passarinhos e outras aves pequenas.