Edison Maletz, gerente do Trino Polo.

A Serra Gaúcha é a primeira região do Rio Grande do Sul a ter um Arranjo Produtivo Local (APL) de Tecnologia da Informação reconhecido pela Secretaria de Desenvolvimento e Promoção do Investimento (SDPI).

A governança do arranjo será exercida pelo Trino Polo, envolvendo também o Seprorgs, a prefeitura de Caxias do Sul, cinco instituições de ensino (FSG, Ftec, FTSG, Faculdade Murialdo e UCS) além de 76 empresas de TI.

Um APL é uma organização que envolve diversos atores de uma cadeia produtiva, que uma vez constituídos podem pleitear verbas para diferentes finalidades junto a organismos do governo estadual e federal.

Caxias do Sul já tem APLs para a indústria metal mecânica, a área de moda e o setor viticultor, por exemplo.

O APL de TI terá atuação em Caxias do Sul, Bento Gonçalves, Farroupilha e Garibaldi.

“Iremos trabalhar agora na elaboração de um plano de desenvolvimento do APL, com o objetivo de adensar os elos da estrutura produtiva do setor e, posteriormente, buscaremos os recursos disponíveis para estes arranjos, visando ao desenvolvimento das ações planejadas”, afirma Edison Maletz, gerente do Trino Polo

Maletz destaca que os objetivos passam por colocar o APL de TI entre os arranjos prioritários do governo estadual, o que disponibilizaria uma verba anual de R$ 100 mil destinados à administração da iniciativa, assim como criar programas de capacitação e qualidade de software.

As verbas existem. Em maio, um edital do governo gaúcho concedeu R$ 1 milhão para 10 APLs no estado.

Antes mesmo de ser formalizado, o APL de TI já conseguiu uma pequena verba de R$ 30 mil, que rendeu seis cursos de 40h em .Net, SQL, virtualização, segurança e redes, além de dois de desenvolvimento web, oferecidos para funcionários das empresas participantes a um custo de R$ 100.