Banco alemão busca apoio para inovar. Foto: divulgação.

O Deutsche Bank AG está apostando na inovação tecnológica, ao anunciar uma parceria com as empresas IBM, Microsoft e HCL Technologies. O plano é abrir laboratórios de inovação com as companhias, de olho no desenvolvimento de aplicações para suas operações de digital e mobile banking.

De acordo com informação do Wall Street Journal, o banco alemão, ao lado dos parceiros, planeja abrir três instalações - uma em Berlim, outra em Londres, e uma terceira em Palo Alto, no Vale do Silício.

Com a estratégia, o objetivo é convidar banqueiros de diversas verticais para participarem dos laboratórios, dando às empresas insights para aperfeiçoar fatores como experiência do cliente ou processos internos nos bancos.

Segundo dados do jornal norte-americano, o Deutsche Bank estaria disposto a investir cerca de € 200 milhões em sua estratégia de digitalização de processos, o que inclui pesquisa e desenvolvimento - o que é o caso dos laboratórios.

"O movimento sublinha as mudanças expressivas que os bancos enfrentam em relação ao crescimento de aplicações financeiras móveis e a ascendência de plataformas independentes - como o PayPal e Apple Pay - que estão ameaçando as tradicionais instituições financeiras", avalia o analista Eyk Henning, do WSJ.

De acordo com analistas, os bancos europeus estão demorando a acordar para este mercado. Por exemplo, o primeiro sistema de pagamentos móveis ancorado por um banco tem seu lançamento previsto somente para meados de 2015.

No Brasil, em comparação, bancos já estão acordando para esta novidade. Bancos como Santander, Bradesco e até mesmo o gaúcho Banrisul anunciaram este ano iniciativas de pagamentos móveis para seus clientes.

Em terras canarinhas, a briga no segmento de m-payment não se restringe aos bancos e serviços como PagSeguro, mas também tem as operadoras. Serviços como o Zuum, lançado pela Vivo, propõem um modelo diferente, em que créditos na conta telefônica podem ser utilizados como um cartão de débito.

Uma pesquisa divulgada pela Conta Super, empresa do segmento de m-payment, mostra um crescimento da preferência do usuário brasileiro em pagar suas contas usando seus smartphones.

Conforme o estudo, 45% dos entrevistados gostariam de agendar pagamentos usando seus dispositivos móveis, ou recorrendo a recursos como contas pré-pagas para agilizar suas finanças.

No uso de mobile banking em geral, os países europeus estão atrás do Brasil em termos de adesão. Segundo dados da consultoria McKinsey, cerca de 37% dos correntistas europeus usam o serviço, enquanto no Brasil o número já está em 47%, conforme apontou a Febraban em abril deste ano.