Luciano Hang, proprietário da Havan. Foto: divulgação.

A Havan, rede varejista catarinense que deve faturar R$ 12 bilhões esse ano, vai reciclar produtos eletrônicos com a  Ingram Micro, uma das maiores distribuidoras de TI do mundo.

Na prática, a Ingram Micro irá coletar os produtos eletrônicos das 141 lojas na matriz da Havan, em Brusque, dando o destino correto aos equipamentos.

Entre os produtos descartados, devem estar cartuchos de impressão, baterias, computadores, impressoras e HDs.

Algumas peças poderão ser reutilizadas ou doadas, outras são descartadas por não terem mais condições de uso.

De acordo com a empresa, este tipo de resíduo não pode ser descartado da mesma maneira que o lixo comum, com risco de contaminação da água e do solo por suas substâncias tóxicas.

“A sustentabilidade em TI representa a capacidade da empresa em gerir seus ativos tecnológicos de forma eficiente, mantendo o equilíbrio com a sociedade e o meio ambiente”, ressalta Charles Guilherme Kreidlow, coordenador de infraestrutura e suporte de TI da Havan.

Além do impacto ambiental, a iniciativa deve minimizar os riscos de vazamento de dados da rede e dos clientes.

Segundo a varejista, esta é a primeira empresa da América Latina a formalizar o processo para o descarte correto de eletrônicos.

A Havan está presente em 17 estados brasileiros é já tem mais de 1 milhão de m² em lojas construídas.

Segundo a empresa, são realizadas 10 mil contratações por ano e a meta é chegar a 200 lojas até 2022.