INTEGRAÇÃO NA SAÚDE

Albert Einstein vai de Cisco em telemedicina

18/01/2013 12:56

Solução em dispositivos móveis integrou equipes de UTI e pronto socorro de unidades dispersas.

Foto: divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

O Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE) adotou dispositivos móveis de vídeo da Cisco para um projeto piloto de telemedicina.

O projeto é voltado a otimizar a comunicação entre as equipes da UTI e pronto socorro do Hospital Municipal Moysés Deutsch - M'Boi Mirim e da Central de Telemedicina do Hospital Albert Einstein, ambos em São Paulo, para dar assistência a pacientes graves, no caso de ausência de especialistas na unidade pública ou da necessidade de segunda opinião.

Em fase piloto, o programa já resultou em mais de 70 avaliações no pronto-socorro e na UTI do hospital municipal desde maio de 2012, com casos analisados em tempo real pela equipe do HIAE em esquema 24x7.

Segundo Milton Steinman, um dos médicos que coordena o projeto no HIAE, os dispositivos móveis da Cisco facilitam o trabalho por trazer recursos de uso em saúde como consulta remota de pacientes, cuidado virtual e educação médica.

A solução também possibilita o compartilhamento de conteúdos, gravação, firewall e capacidade de gestão.

“Uma das vantagens da utilização da telemedicina é a redução de tempo e custos, uma vez que o uso da tecnologia para avaliação à distância e em tempo real diminui a necessidade de transferência de pacientes para outros hospitais”, afirma Steinman.

Os investimentos em TI têm sido uma constante no Albert Einstein.

Em dezembro passado, o hospital paulista afirmou ter se tornado a primeira organização do país a implementar o Microsoft System Center 2012.

A instituição assinou um contrato de adoção antecipada com a Microsoft e implantou o sistema antes mesmo que ele fosse lançado no mercado, com a meta de automatizar processos e reduzir o uso de formulários e guias em papel.

Composto pelo Windows XP e mais 140 sistemas de apoio, incluindo Windows 7, já com Office 2010 e Internet Explorer 9, o System Center permitiu ao hospital economizar de 30% a 40% do tempo que seria gasto se fosse necessário fazer a migração para o Windows 7 manualmente.

O Hospital Israelita Albert Einstein possui seis unidades na caital paulista, além de manter o Instituto Israelita de Ensino e Pesquisa e o Programa Einstein na Comunidade de Paraisópolis.

Ao todo, são cerca de dez mil funcionários.

No fim de 2011, o hospital divulgou relatório informando ter realizado investimentos gerais de mais de R$ 1,18 bilhão nos últimos cinco anos.

Veja também

SAÚDE BEM GERIDA
MV no maior complexo hospitalar da AL

Hospital das Clínicas da USP contratou o ERP Soul MV. Implantação levará 36 meses e atingirá sete mil usuários.

COM MV SISTEMAS
Hospital Santa Cruz: TI no atendimento

HSC implanta novo sistema informatizado de gerenciamento de acesso de pessoas na instituição com solução da MV.

SAÚDE
Hospital Samaritano cria sistema de segurança do paciente

Com investimento de R$ 2,5 milhões, o sistema traz uma configuração inédita no Brasil com maior tecnologia e automação

O Hospital Samaritano de São Paulo implantou um sistema que automatizou tarefas de armazenagem, distribuição e rastreamento de medicamentos de sua farmácia.

O projeto, de desenvolvimento interno, levou investimento de R$ 2,5 milhões.

VIGILÂNCIA E CONTROLE
Hospital SC: segurança com D-Link

A instituição, que tem 800 colaboradores, 227 leitos e realiza uma média de 3,7 mil pronto atendimentos por mês, implantou 09 câmeras IP, sistema de gravação de imagens backbone de 10Gb e switch core de chassi 7200.

IBM e MV zeram papel no Hospital Felício Rocho

O Hospital Felício Rocho, de Belo Horizonte, adotou uma contrato com a IBM Brasil e MV Sistemas para adoção do prontuário eletrônico e eliminação de documentos em papel.

A meta é automatizar todos os processos, reduzindo a zero o uso de materiais como fichas de atendimento, de controle de pacientes e internações, entre outros.

No projeto, a IBM adequou a infraestrutura de TI da instituição de saúde para permitir a troca do ERP então em uso pelo da gaúcha MV.

Maior grupo hospitalar do DF vai de MV

O Hospital Maria Auxiliadora, de Brasília, acaba de adotar o sistema de gestão da porto-alegrense MV.

A instituição é integrante do grupo formado pelos hospitais Santa Lúcia, Santa Helena, Pronto Norte e Centro Radiológico de Brasília (CRB), todas já usuárias da solução gaúcha.

“Somos o maior grupo hospitalar do Distrito Federal”, garante o gerente de Tecnologia do Hospital, Pedro Gomes.

E3 automatiza Hospital de Clínicas de POA

O Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA) adotou o Elipse E3, software supervisório da gaúcha Elipse, para automatizar os setores elétricos e de utilidades.

Foram implantadas duas cópias da solução, ambas instaladas na sala de operações do hospital e rodando com licenças para Hot-Stand-By, em um projeto assinado pela integradora JMD Produtos Eletrônicos, da capital gaúcha.

Hospital de Alagoas otimiza gestão com MV

Agilizar o processo de faturamento e melhorar o controle de estoque.

Estes foram os objetivos do Hospital Universitário Professor Alberto Antunes, da Universidade Federal de Alagoas, ao contratar a solução de gestão de saúde da MV.

E foram atingidos: implantado em 100 estações de trabalho em uma primeira fase, o software encerrou a operação manual dos processos, além de integrá-los, segundo conta o gerente de Contas da MV, Emídio Martins.

Hospital Moinhos: 3º no ranking dos melhores
O Hospital Moinhos de Vento é o único da Região Sul a figurar no 3º Ranking dos Melhores Hospitais e Clínicas da América Latina, de acordo uma lista de 45 instituições publicada pela revista América Economia. No ranking, há apenas seis hospitais brasileiros listados e o Hospital Moinhos de Vento destaca-se no quesito segurança, com a pontuação 90,1, ficando entre os cinco melhores do ranking e o segundo do Brasil. Além disso, é um dos mais eficientes, com 90,9 pontos, e o segundo melhor do país em gestão do conhecimento, com 74,5 pontos.
NEC: RFID para Albert Einstein

O Hospital Israelita Albert Einstein acaba de se tornar o primeiro da América do Sul a contar com uma solução de RFID para localização de equipamentos médicos e monitoramento e gerenciamento da temperatura de geladeiras, o que desonera os profissionais da área e amplia a capacidade de controle sobre a utilização dos recursos