Oi e Tim juntas para o 4G. Foto: divulgação.

A TIM e Oi anunciaram nesta sexta-feira, 18, que se unirão para implantar uma rede compartilhada para a oferta do 4G. Em nota as empresas afirmaram que é a primeira vez no país que operadoras concorrentes se unem para operar em uma só rede.

Segundo destacam as companhias, a parceria trará uma economia de 40% a 60% do custo na implantação das redes 4G, trazendo maior competitividade frente às outras operadoras.

As empresas não comentaram os valores do investimento que destinarão ao desenvolvimento da nova rede, mas destacaram que o compartilhamento de redes é "essencial" para o desenvolvimento das telecomunicações do país.

O serviço deve estar pronto em abril, a tempo de ser testado e estar em funcionamento pleno nas cidades-sede da Copa das Confederações. TIM e a Oi dividiram o número de cidades, e cada uma implantará a rede nas localidades que assumiu.

"Em coerência com o endereçamento de políticas públicas, o compartilhamento de redes agiliza a instalação de infraestrutura e otimiza investimentos em prol da qualidade dos serviços prestados", afirmou a TIM através de nota.

Para completar, a Oi ressaltou que "o compartilhamento de infraestrutura de telecomunicações é uma prática mundialmente difundida e que sempre avalia oportunidades dessa natureza no mercado".

Segundo destaca o Teleco, atualmente a TIM possui a segunda maior fatia do mercado de telefonia móvel no país, com 26,4%, enquanto a Oi ocupa o quarto lugar, com 18,9%.

A união de TIM e Oi para o 4G atende a duas necessidades diferentes para as operadoras. A TIM ainda se recupera de acusações de inconsistência em seu sinal, com derrubada de ligações, que rendeu inclusive sanções por parte da Anatel em 2012. Para a Oi, o plano é expandir sua participação no mercado.

4G

Conforme um levantamento da Tendências Consultoria, as operadoras brasileiras destinarão cerca de R$ 72,9 bilhões para obras de infraestrutura e melhoria de serviços, incluindo a implantação do 4G.

O compartilhamento destes custos, no caso da Oi e TIM, evitaria redundâncias desnecessárias e possibilitaria às operadoras uma maior expansão de seu sinal.

Nno caso do 4G, que exige um número elevado de antenas para sustentar a integridade do sinal, esta presença é decisiva.

De acordo com números do Teleco, as operadoras ainda perdem para a Vivo e Claro em termos de área de cobertura.

CONTRA O TEMPO

Para as cidades-sede da Copa das Confederações - Belo Horizonte, Brasília, Fortaleza, Recife, Rio de Janeiro e Salvador - as operadoras terão que correr contra o tempo para instalar suas operações 4G.

Segundo determinação da Anatel, até junho, quando inicia a competição, as companhias devem estar com suas redes funcionando.

Até o momento, apenas a Claro está com seu serviço 4G oficialmente lançado no país, mas somente nas cidades de Campos do Jordão, Búzios, Paraty e na região da Esplanada dos Ministérios, em Brasília.