A fábrica de torres eólicas instalada pela Alstom em Canoas será fechada no mês de abril. Foto: Divulgação.

A fábrica de torres eólicas instalada pela Alstom (hoje adquirida pela General Electric) em Canoas, na região metropolitana de Porto Alegre, será fechada no mês de abril. A unidade está em operação desde agosto de 2013.

A planta foi a primeira fábrica desse tipo de equipamentos aberta pela Alstom na América Latina, com capacidade de produção de 120 torres por ano. 

Para instalar a unidade no Rio Grande do Sul, a Alstom investiu inicialmente R$ 30 milhões.

Segundo o blog Acerto de Contas, do ClicRBS, o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Canoas, Paulo Chitolina, afirmou que serão demitidos 80 trabalhadores. A justificativa para o fechamento foi o cancelamento de uma encomenda de 500 torres eólicas.

Mesmo assim, o blog informa que a fábrica de transformadores, que tem 350 funcionários, continuará em operação.

A compra da divisão de atividades energéticas da Alstom pela General Electric foi finalizada em setembro do ano passado. O negócio foi firmado em US$ 10,6 bilhões. As unidades ligadas à energia representavam cerca de 70% do faturamento da Alstom.

Na época da abertura da fábrica, o presidente da Alstom Brasil, Marcos Costa - que ocupou o cargo até outubro de 2015 - destacou que a escolha pelo Rio Grande do Sul foi ligada ao potencial eólico do estado, à logística com os países vizinhos do Conesul e à mão de obra qualificada  disponível.

"A unidade, devido à sua posição geográfica estratégica, também vai exportar para outros países da América Latina, atendendo os mercados do Uruguai, Chile e Argentina, por exemplo", declarou.