Adobe lança Ink e Slide. Foto: divulgação.

A Adobe anunciou esta semana, o lançamento de seus primeiros produtos para entrar no mercado de equipamentos para arte e design, um avanço em relação a sua atuação exclusiva no mercado de softwares para este segmento.

As novidades são o Adobre Ink e Adobe Slide, uma caneta e uma régua semelhantes às tradicionais, mas que funcionam sobre telas sensíveis ao toque, em vez do papel. A informação é do Valor.

Segundo analistas, os novos produtos são novos indícios de uma mudança de rota para a companhia norte-americana, que passou a migrar do modelo tradicional de venda de software para o de assinaturas, pagas mensalmente como se fossem uma conta de água ou luz. Agora, hardware também está nesta estratégia.

Os dispositivos têm preço sugerido de US$ 199,99 e, a princípio, serão vendidos apenas nos Estados Unidos. A empresa não deu detalhes sobre um possível lançamento no Brasil.

Como acompanhamento aos novos produtos, a empresa lançará os softwares Line, para fazer ilustrações, e o Sketch, para compor páginas e publicá-las, tudo a partir de aparelhos móveis, como tablets.

"O modelo de trabalho mudou bastante e em vez de uma tela única, a do computador, o profissional hoje trabalha com muitos dispositivos e múltiplas telas", diz Fabio Sambugaro, diretor-geral da Adobe no Brasil.

Além disso, o modelo de distribuição dos softwares foi reformulado, com uma janela menor entre os lançamentos, e com programas baixados via internet, sem o pagamento de licença em que o usuário paga uma mensalidade e recebe de graça as atualizações.

Segundo a fabricante, o novo modelo, que já está em funcionamento pelo sistema Creative Cloud desde 2012, ajuda a combater pirataria e a atrair novos usuários.

A Adobe encerrou o segundo trimestre fiscal, em maio, com 2,308 milhões de assinaturas pagas no mundo, 464 mil a mais que no trimestre anterior. Além disso, 53% da receita de US$ 1,07 bilhão registrada no período veio dos serviços de nuvem.

A mudança parece estar surtindo efeito para a Adobe. No segundo trimestre de 2014, a empresa ficou com um lucro líquido de US$ 88,5 milhões, um aumento de 15% em relação aos 76,5 milhões do mesmo período no ano anterior.

A Adobe viu seu lucro líquido diminuir de US$ 833 milhões para US$ 290 milhões entre os anos fiscais 2012 e 2013.