Foto: divulgação.

A Lumidigm está implantando sensores de impressão digital em mais de 3,5 mil caixas eletrônicos da Caixa Econômica Federal, cerca de 35% do total de máquinas de auto-atendimento do banco, que fica em mais de dez mil em todo o país.

O projeto tem parceria da Diebold Brasil, fornecedora dos ATMs, e da Griaule, desenvolvedora do software de apoio.

Conforme Bill Spence, vice-presidente de sistemas transacionais da Lumidigm, o objetivo é garantir aos mais de 58 milhões de clientes registrados da Caixa facilidade de identificação e segurança no acesso às contas bancárias nos terminais eletrônicos.

Um dos grupos mais beneficiados será, conforme o executivo, o de correntistas cadastrados no Programa Bolsa Família, que tem mais de 13 milhões de registrados no país, dos quais muitos usam o ATM só uma vez por mês, para resgatar o benefício.

Isso torna mais comum o esquecimento de senhas de acesso ao caixa eletrônico, o que leva os gerentes de banco a empregar muito tempo na solução desse tipo de problema.

Uma questão que os novos sensores resolvem, por meio do reconhecimento de imagem multiespectral, que enxerga tanto a camada superficial da pele como uma mais profunda, onde os vasos sanguíneos reproduzem o desenho exato da superfície do dedo.

“Para retirar o dinheiro, os clientes só terão de inserir seu cartão e colocar o dedo no leitor de impressões digitais”, explica o VP. “Nenhuma senha será mais necessária, nem treinamento, pois o procedimento é fácil”, completa.

PARA TODOS OS DEDOS
Spence ressalta, ainda, que com o sensor “qualquer dedo pode ser identificado: sujo, molhado, ressecado ou desgastado”.

Uma tecnologia que, conforme o VP, tem ganhado a atenção do mercado bancário brasileiro.

ÁREA PRIVADA
Além da CEF, outro cliente – identificado apenas como um dos maiores bancos privados do Brasil – também engordou recentemente a carteira da Lumidigm, com 12 mil leitores de impressão digital instalados em caixas eletrônicos.

Especializada em soluções de autenticação, a empresa tem sede em Albuquerque, no Novo México, EUA.

Seus sensores biométricos e equipamentos de soluções visuais são usados para controle de acesso físico e lógico em mercados como bancos, instituições de saúde, entretenimento e parques temáticos, além da identificação civil e governamental.

CEF

Já a CEF conta com 2.229 agências em todo o Brasil, além dos caixas da rede 24 horas.

O banco fechou 2011 com lucro de R$ 5,2 bilhões, avanço de 37,7% em relação a 2010.

Conforme dados de seu site, a CEF é o maior banco público da América Latina, com presença em 100% dos municípios brasileiros via mais de 44,6 mil pontos de atendimento, sendo 7,8 mil unidades próprias (agências, postos e autoatendimento) e 36,8 mil correspondentes, dos quais 11 mil são lotéricas.