TOMA ESSA, NSA

Petrobras: R$ 4 bi para proteger dados

18/09/2013 18:21

A companhia investirá R$ 21,2 bilhões no período de 2013 a 2017 para guardar informações estratégicas.

Companhia ficou preocupada com a suspeita de espionagem. Foto: flickr.com/photos/agecombahia.

Tamanho da fonte: -A+A

A presidente da Petrobras, Maria das Graças Silva Foster, informou, em audiência pública no Senado Federal, que a companhia investirá R$ 4 bilhões em 2013 e R$ 21,2 bilhões no período de 2013 a 2017 em Tecnologia da Informação e Telecomunicações.

Para ela, esta aplicação expressa a importância para a Companhia da proteção das informações estratégicas vem no rastro das denúncias de espionagem de dados por conta da Agência de Segurança dos Estados Unidos (NSA).

Inclusive a presidente Dilma Rouseff defendeu medidas radicais - e para alguns impossíveis - para a história toda, afirmando em junho que empresas como Google, Yahoo e Facebook deveriam ter data center no Brasil.

Graça destacou que não há evidência de que a empresa foi espionada pelos norte-americanos, mas compartilhou preocupação a respeito do assunto.

"Vimos nosso nome ali, o que nos causou, no mínimo, grande desconforto, porque não sabemos se vazou e o que vazou”, afirmou a executiva.

No entanto, mostrou confiança na segurança dos dados estratégicos porque estes não transitam pela internet.

"No Centro de Processamento de Dados está o conhecimento de nossa companhia. As informações críticas estão armazenadas em sistema fechado, com criptografia. O acesso ao centro é controlado com biometria, pesagem e monitoramento com câmeras", afirmou.

A executiva revelou que há um controle e que os investimentos são constantes, acompanhando a evolução tecnológica, pois são comuns ataques cibernéticos.

"Entre nove de agosto e nove de setembro recebemos 195,9 milhões de e-mails. Destes, 16,5 milhões chegaram aos destinatários", explicou.

Veja também

DIZ O GLOBO
Brasil teve sede de espionagem dos EUA

Brasília teria tido base da ANS e CIA, que realizaram espionagem mundial via satélite até 2002.

SEGURANÇA DOS DADOS
Satélite brasileiro pode ser vulnerável

Governo teme espionagem internacional no satélite, que será operado por itens importados.

RMS
Sorria, você está sendo (muito) vigiado

Para RMS, pessoas deveriam desistir de usar smartphones, redes sociais e computação em nuvem para proteger sua privacidade.

ENERGIA
Petrobras fecha contrato com Indra

Espanhola vai implantar tecnologia para gestão e operação de centrais termoelétricas.

BANDA LARGA
Telebras: ser uma estatal atrapalha

Bonilha disse em audiência em Brasília não consegue competir pelas limitações de ser uma estatal.