Richard Hager. Foto: divulgação.

Com pouco mais de um ano de existência, a startup Nubeliu quer ser firmar como um dos principais nomes em projetos do OpenStack, plataforma de código aberto para computação em nuvem, no país.

Concebida em 2014 por Rodrigo Benzaquen e Richard Hager, ex-executivos do Mercado Livre, a Nubeliu se formou a partir de um projeto de Openstack que definiu toda a nuvem do site de e-commerce, criando uma infraestrutura de cloud privada com mais de 16 mil servidores virtuais e 3 mil servidores físicos.

Segundo Hager, COO da empresa, foi deste projeto que o corpo de engenheiros que hoje forma a Nubeliu adquiriu a expertise na área de cloud em código aberto. O plano com a nova empresa é levar a proposta para mais empresas no mercado nacional e América Latina.

O portfólio da Nubeliu hoje é formado por três produtos principais: instalador (Ten Tails); dashboard (Rocket); e billing (módulo de cobrança do Rocket). Além disso, a empresa pretende levar serviços de consultoria, suporte e monitoramento de ambientes na plataforma aberta.

"Temos um foco em cloud para companhias e médio e grande porte, com mais de 50 servidores. Já estamos com projetos em três grandes empresas no país e nosso plano é crescer a partir deste lastro que estamos estabelecendo inicialmente", revela o executivo.

Um dos cases de implementação de Openstack pela Nubeliu é na Oi, onde a empresa desenvolveu uma plataforma cloud para suportar um novo serviço da operadora que, segundo o COO, demandava uma carga de 1 petabyte em dados, uma escala que seria proibitiva caso adotasse o formato de soluções de virtualização proprietária - por exemplo, VMWare.

“A adoção de nuvem privada ou pública com OpenStack é de até 70% mais barata em comparação às soluções convencionais e proprietárias do mercado e o projeto de cloud é executado 400 vezes mais rápido do que os projetos com múltiplas tecnologias de virtualização”, afirma Hager.

Outro projeto está em andamento com a Totvs, onde a Nubeliu está desenvolvendo a partir do Ten Tails uma plataforma de alta complexidade para uma futura oferta de ERP SaaS da companhia.

"Trabalhamos com o Openstack desde o desenho da infraestrutura (IaaS), plataforma de desenvolvimento das aplicações (PaaS) e o software final (SaaS)", explica o COO.

De início, a Nubeliu recebe um aporte de valor não divulgado dos fundos KaSZeK Ventures, da Storm Ventures e de Marcos Galperin, fundador e CEO do MercadoLivre.

Para fomentar o crescimento da empresa, a empresa pretende abrir uma nova rodada em 2016 para reforçar seu portfólio e expandir sua equipe, hoje composta por 20 pessoas (14 na Argentina e 6 no Brasil).

"Para o ano que vem, esperamos levantar um investimento de US$ 10 milhões para expandir nossa oferta além da América Latina e atingir mercados mais avançados em relação ao Openstack, como América do Norte e Europa", destaca Hager.

Enquanto isso, no Brasil, o COO afirma que a tecnologia deve emplacar mais adiante, daqui a dois ou três anos, acompanhando o amadurecimento das estratégias de cloud das empresas nacionais.

Apesar disso, o potencial é grande. Segundo a consultoria 451 Research, o mercado de soluções em nuvem baseada em Openstack deve chegar a US$ 3,3 bilhões em 2018.

"Muitos CIOs já sabem da importância do investimento em cloud, mas ainda fica a dúvida de como fazer essa mudança. Nesse meio tempos, queremos ocupar o mercado oferecendo a alternativa mais flexível e econômica que o OpenStack traz", avalia Hager.

Essa paciência da Nubeliu também se reflete na estratégia de canais da companhia, que estebeleceu três parceiros piloto para atender a demanda no país e deve somar mais três canais em 2016.

"Nossa meta é conquistar um crescimento orgânico de nossa demanda, suportado por canais altamente especializados na parte comercial e técnica. Nossa equipe de São Paulo acompanhará os contratos maiores", finaliza o COO.