Alex Frachetta, fundador do Apto.vc. Foto: Divulgação.

O Apto.vc é um novo player no mercado de divulgação de imóveis online que quer se destacar com anúncios de qualidade. 

A divulgação é feita a partir de parcerias com mais de 50 incorporadoras. Para garantir um padrão nas informações divulgadas, o portal não aceita anúncios feitos por pessoas físicas.

Atualmente, o site conta com anúncios de 500 imóveis novos na grande São Paulo, número que deve chegar até o final desse ano a pouco mais do dobro: 1,2 mil.

Entre as construtoras parceiras do Apto.vc estão BKO, Brookfield, Cyrela, Even, Gafisa, PDG, Queiroz Galvão, Rossi, Tecnisa e Toledo Ferrari.

Os imóveis cadastrados têm informações como preço inicial, preço por planta, diferenciais, serviços, tamanho do terreno, fotos, entre outras.

"Cada imagem de cada empreendimento é comentada pelos nossos especialistas, então é como se você estivesse fisicamente no local com um expert. Estudamos cada apartamento antes de cadastrar no site e criamos uma apresentação fora de série. Além de tratarmos cada imagem, criamos textos autorais e mostramos a localização exata", explica o fundador do Apto.vc, Alex Frachetta.

Antes de fundar a empresa, Frachetta foi coordenador de Inteligência de Mercado na Queiroz Galvão por quatro anos. Ele também foi analista de Inteligência de Mercado na Telefônica e analista de Marketing da Scopus Tecnologia.

O Apto.vc ainda conta com um plano premium, em que são realizadas ações para aumentar a exposição do empreendimento.

“As construtoras que desejam multiplicar o número de contatos gerados podem fazer um plano premium, que cobramos por lead gerado”, explica o fundador.

Em 2015, o Apto.vc adotou uma infraestrutura de cloud como serviço com a Mandic Cloud Solutions com o intuito de melhorar o desempenho do portal. 

Anteriormente, a empresa hospedava seu site em um servidor nos Estados Unidos. Com o servidor no Brasil, o Apto.vc teve uma redução de 12 para até 2 segundos no carregamento da página de busca.

O momento do mercado imobiliário é desafiador no Brasil, o que pode fazer as construtoras buscarem novas formas de atrair o consumidor.

Em 2015, o setor teve perda real de 8,48% diante da inflação calculada pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Para este ano, a expectativa é que o preço de vendas de imóveis continue avançando em ritmo mais baixo do que a inflação.