Microsoft quer levar mundo do Minecraft para salas de aula. Foto: Shutterstock.

Depois de comprar a Mojang, criadora do game Minecraft, a Microsoft está expandindo as possibilidades de aproveitar a popularidade do serviço. A mais recente investida da companhia é a educação, com o lançamento do Minecraft: Education Edition.

O Minecraft para escolas será lançado na metade de 2016 pelo custo de US$ 5 por aluno, e será uma aposta da empresa de Satya Nadella para recuperar o segmento de softwares para escolas, onde perdeu espaço para plataformas mais baratas como Chromebooks e Linux.

Além disso, a estratégia se alinha com o plano da Microsoft em reforçar a adoção de novos sistemas Windows e um foco maior na oferta de serviços e soluções para alimentar este ecossistema.

Segundo reporta o The Verge, o Minecraft para educação, é semelhante o jogo original, reforçado com recursos de mapeamento, assim como criação e compartilhamento de níveis e lições desenvolvidas dentro do mundo aberto do game.

O jogo é baseado no MinecraftEdu, mod do jogo desenvolvido para PC e foi adquirido também pela empresa de Redmond. A Mojang, dona da propriedade intelectual Minecraft, foi comprada em 2014 por US$ 2,5 bilhões.

A versão já conta com alguns conteúdos específicos como um mapa baseado no Japão Feudal, usado para aulas sobre poesia nipônica, assim como outros mapas usados para lições de arte ou de química.

"As crianças não estarão resolvendo quebra-cabeças ou respondendo questionários nestes mundos. Minecraft será uma forma de imersão em ambientes históricos e científicos para que os alunos compreendam melhor o que é ensinado em sala de aula", afirmou a Microsoft em nota em seu blog.

O desafio da Microsoft agora é estender a popularidade do Minecraft para além de sua base de fãs tradicionais, que construíram milhares de níveis para o jogo, mas em um contexto fora de educação.

Para analistas, a principal questão é como a Microsoft pretende estimular este desenvolvimento de conteúdos - se isso será um impulso da própria comunidade de jogadores ou se os educadores também participarão neste processo.

"Construir um mundo dentro do Minecraft é um trabalho longo e às vezes tedioso. Não é algo que todos os professores vão querer fazer, então é crítico que a Microsoft garanta que eles não tenham que fazer isso por conta própria", afirmou Jacob Kastrenakis, do The Verge.