O crescimento do e-commerce no Brasil foi impulsionado pela pandemia do novo coronavírus. Foto: Pexels/Gustavo Fring.

Tamanho da fonte: -A+A

O e-commerce brasileiro cresceu 75% em 2020, embalado pela crise do coronavírus.

É o que aponta o levantamento Mastercard SpendingPulse, que mede os gastos dos consumidores em todos os tipos de pagamento, incluindo dinheiro e cheque.

Chama atenção o desempenho acima da média de segmentos como  hobby & livrarias (110%) e drogaria (88,7%), o que faz sentido com boa parte da população em casa.

"Sabemos que esse crescimento exponencial do e-commerce foi intensamente acelerado pelo distanciamento social que vivemos em 2020 e a contínua necessidade do consumidor em comprar mesmo sem sair de casa", afirma João Pedro Paro Neto, presidente da Mastercard no Brasil e ConeSul. “As compras online se tornaram um modo de vida para quase tudo”, resume Paro. 

Na comparação, o varejo físico ficou praticamente estagnado, com uma expansão de 0,2% no ano de 2020. 

O crescimento das vendas digitais levaram a outro marco histórico no período.

Em 2020, pela primeira vez, o valor total das vendas online superou o das vendas físicas na Black Friday, com 50,4% do total do volume transacionado até o dia da promoção, de acordo com dados do Itaú. 

O crescimento foi de 12,9% se comparado ao mesmo período de 2019, enquanto o volume de vendas nas lojas físicas caiu 27% na mesma comparação.