Dados sigilosos de alunos do Colégio Bandeirantes foram acessados por estudantes. Foto: Divulgação.

Dados sigilosos de alunos do Colégio Bandeirantes, um dos mais tradicionais de São Paulo, foram acessados por estudantes na última semana. Segundo a escola, um aluno do último ano do ensino médio obteve acesso irregular a atas de reuniões de professores com orientadores educacionais realizadas pela instituição entre 2007 e 2012.

Os documentos estavam nos servidores do colégio, que também hospedam seu site aberto. Aparentemente, alguma falha de segurança permitiu o acesso.

Depois que a falha foi descoberta pelos alunos, um deles produziu um vídeo mostrando como chegar aos documentos. Ele foi suspenso pelo colégio por oito dias.

Entre as informações vazadas estavam comentários dos professores sobre o desenvolvimento acadêmico e o perfil emocional de cada aluno.

A Folha de S. Paulo relatou que, entre as observações, haviam passagens como: "Tem olheiras, boca de ódio, tem cara de criança de filme de suspense" e "aluna perdeu a mãe em junho de 2007. É filha adotiva, mas acho que não sabe disso".

Segundo alunos ouvidos pela Folha, era possível, durante o final de semana, acessar as informações digitando nomes no mecanismo de busca do site do colégio.

Ex-alunos também conseguiram acessar o sistema interno do colégio utilizando senhas antigas.

A escola apura se houve invasão ou falha técnica do sistema e estuda mover uma ação contra a família do aluno suspenso.

"Se houve invasão, aí ele cometeu um crime, e a família será responsável porque ele é menor de idade. Se não houve invasão, ele é responsável do ponto de vista civil pelos danos morais. As alternativas estão abertas. Se serão tomadas, é outra questão", disse à Folha o diretor-presidente do colégio Bandeirantes, Mauro de Salles Aguiar.

O colégio Bandeirantes fica na Vila Mariana, na zona sul da capital paulista, e teve a quarta melhor avaliação entre as escolas de São Paulo no Enem 2013.

As mensalidades no ensino médio custam cerca de R$ 3.000. A escola tem em sua grade curricular a disciplina de ética e cidadania digital ministrada por uma advogada.