SEGURANÇA

PagSeguro é condenado a indenizar cliente

19/05/2022 13:53

Vítima teve o celular roubado e bandidos conseguiram sacar R$ 9,9 mil do app.

Celular roubado vira muitas vezes grande dor de cabeça. Foto: Pixabay

Tamanho da fonte: -A+A

O PagSeguro, empresa de máquinas de cartão do grupo UOL, foi condenado a indenizar uma cliente que teve seu dinheiro roubado após ter seu celular furtado.

Conforme os autos, a cliente ligou ao banco para tentar bloquear sua conta após o furto, pois tinha o aplicativo da empresa instalado no celular. 

A ligação durou quase meia hora e o banco não autorizou o bloqueio. No meio tempo, golpistas conseguiram transferir R$ 9,9 mil usando o aplicativo, que o PagSeguro posteriormente se negou a reembolsar.

Além de ter o valor devolvido, a 21ª Câmara de Direito Privado do Tribunal de Justiça de São Paulo decidiu que o Pag Seguro também deverá pagar R$ 5,5 mil de indenização por danos morais.

Os argumentos do banco ao TJ-SP foram que a vítima deveria ter protegido melhor o acesso ao seu celular, que não convenceram, e a medida foi mantida.

Segundo Décio Rodrigues, desembargador e relator do caso, a situação se encaixa no artigo 14, parágrafo 3º, do Código de Defesa do Consumidor, em que "havendo dano ao consumidor, independentemente de qualquer indagação relacionada à culpa, responderá a instituição financeira objetivamente pelos danos causados".

"Não há dúvida de que o débito era inexigível, tendo sido caracterizada a má prestação do serviços pelo réu, na medida em que não foi possível o bloqueio da conta tão logo ocorreu a subtração do aparelho celular", escreveu Rodrigues no julgamento.

OUTROS CASOS

Em abril deste ano, o Nubank também foi condenado pelo judiciário de São Paulo a indenizar um cliente que foi vítima do roubo de seu dinheiro depositado no banco, após ele ter tido o celular roubado. 

Segundo os autos, o correntista em questão teve o celular roubado, pediu o bloqueio do número e do aparelho junto à operadora e ao fabricante, mas mesmo assim teve um saque de R$ 5,1 mil na sua conta.

A juíza Tamara Hochgreb Matos, da 24ª Vara Cível do Foro Central de São Paulo, decidiu que o  banco digital deve indenizar a vítima em toda quantia perdida, além de pagar as custas do processo e os honorários dos advogados.

Em setembro de 2021, em Goiânia, o juiz Gabriel Consigliero Lessa sentenciou o Nubank a pagar R$9,550 mil de restituição à vítima devido à fraude em seu cartão, além de outros R$ 3 mil a títulos de danos morais.

No caso, após realizar uma compra no valor de R$ 50, foram realizadas mais sete transações sem sua autorização. 

Para os advogados, era óbvia a atipicidade das transações, visto que foram realizadas em um espaço de dois minutos e com valores superiores a R$ 1 mil.

Nesse caso em particular, a fragilidade do sistema do Nubank foi ressaltada pelo fato de que o cartão não foi perdido pelo cliente, nem foram enviadas mensagens de texto comunicando sobre as compras.

Veja também

MODA
Tommy Hilfiger: projeto no Metaverso com Capgemini

A marca americana criou uma convenção nacional de vendas no ambiente virtual.

DISTRIBUIÇÃO
Ingram Micro tem nova diretora financeira

Amanda Oliveira será responsável pela nova linha de crédito da companhia aos parceiros.

OPORTUNIDADE
Petrobras busca startups

Edital com inscrições abertas tem investimento total de R$ 20 milhões.

INDÚSTRIA
CMR adota ERP da Sankhya

O software otimizou em 70% o processo de vendas e emissão de notas fiscais da companhia.

ATENDIMENTO
Detran-CE tem chatbot da Valid

Projeto começa a disponibilizar serviços do órgão via WhatsApp. 

VIDA REAL
Chutes enganam a IA do Gupy?

Post de profissional incendeia LinkedIn. Startup se posiciona rapidamente.