Olhou, faturou. Foto: divulgação.

Tamanho da fonte: -A+A

Desde o lançamento em beta do Google Glass, no primeiro trimestre, circulam especulações de como a gigante das buscas poderá usar o dispositivo para incrementar seu faturamento. Uma informação divulgada pelo site Fast Company sugere uma possibilidade, na qual a publicidade pode ser cobrada pelas visualizações de anúncios pelo óculos.

O Google registrou uma patente - chamada de Gaze Tracking - que rastreia o olhar do usuário, registrando o objeto visualizado e a resposta ao estímulo visual.

De acordo com o site Marketing Land, o Google pode empregar a partir disso um método de cobrança chamado “pay-per-gaze”, cobrando das marcas toda vez que um usuários do Glass vê um anúncio - tanto online quanto offline.

Não se limitando aos anúncios no visor dos óculos, a tecnologia também contabiliza visualizações de publicidade em outdoors, revistas, jornais e outros meios offline.

Para o Google, é uma extensão de seu serviço de analytics, agora também capaz de perceber a participação de anúncios no dia a dia de seus usuários, aplicando estatísticas além dos meios digitais.

"Anunciantes podem ser cobrados de acordo com o tempo e como os usuários olham para a propaganda. A patente também mostra que o Google pode coletar e cobrar empresas pelos datos analíticos como o tempo que o anúncio chamou a atenção do usuário", afirma Matt McGee, do Marketing Land.

Além disso, o óculos também é capaz de analisar a resposta emocional do usuário através da observação da dilatação das pupilas enquanto ele olha para o anúncio.

"Sim, é assustador. É absurdo. E é puro Google", dispara McGee.

No entanto, embora o Google tenha patenteado a tecnologia, a empresa de Mountain View não divulgou planos sobre a tecnologia até o momento, e não é garantido que ela venha a ser usada na versão do Glass que irá ao mercado no ano que vem.