"Software por pontos? Que bela ideia!". Foto: flickr.com/photos/gawler_history

O Juntos Somos Mais, um novo programa de fidelidade que une Votorantim Cimentos, Gerdau e Tigre, entre outros, vai permitir que as lojas de material de construção cadastradas troquem pontos por software da Linx, maior empresa brasileira de software de gestão para o varejo.

Também participa do acordo a Hiper, uma startup de soluções de gestão na nuvem para sediada na pequena Brusque, uma cidade de 125 mil habitantes no norte de Santa Catarina. A empresa foi adquirida pela Linx em abril.

Do portfólio da Linx, a solução oferecida será o Microvix, que atende a rede de franquias. Já a Hiper tem uma solução na nuvem focada em micro e pequenos varejistas.

O acordo também vale na mão contrária: quem comprar software acumular pontos de fidelidade que podem ser trocados por mais de 20.000 itens, como cursos de capacitação e equipamentos para a loja.

“Nosso principal objetivo é fortalecer e desenvolver o varejo de material de construção e os profissionais de obra do Brasil. A adesão das empresas de tecnologia levará  mais organização à gestão e aumentará a assertividade das lojas cadastradas no programa”, afirma Antonio Serrano, CEO da Juntos Somos Mais.

O mercado potencial que a Juntos Somos Mais está abrindo para a Linx é enorme: uma pesquisa do programa de fidelidade levantou que 60% das lojas do setor no Brasil não possuem nenhum sistema de gestão. 

Segundo a Anamaco, uma associação da área, o setor movimenta mais de R$ 100 bilhões ao ano por meio de aproximadamente 150 mil lojas de materiais de construção.

Criado em 2014 pela Votorantim Cimentos como o seu programa de fidelidade para lojas de materiais de construção, o Juntos Somos Mais recebeu no ano passado o reforço de Gerdau e Tigre, que passaram a ter cada um 27,5% da nova empresa.

Hoje, o Juntos Somos Mais tem 55 mil lojas cadastradas e 150 mil profissionais independentes. As vendas pelo marketplace chegaram a R$ 4 bilhões em 2018, com expectativa de bater nos R$ 10 bilhões em 2021.

O time de participantes também inclui  Santander, GetNet, Vedacit, Eternit, Suvinil, Stam, Bosch, Casa do Construtor, Ciser, Ourolux, Cozimax, Corfio,Schneider Electric e Portal Solar.

No Brasil, a construção civil movimenta aproximadamente R$ 300 bilhões ao ano, o que equivale a 4,5% do PIB. 

No entanto, o setor sofreu muito com a crise, o que pode explicar a disposição de tantas empresas em trabalharem juntas para aquecerem as vendas.

Até julho do ano passado, foram nada menos do que 51 meses (mais de quatro anos) de perdas acumuladas na comparação com o mesmo período do ano anterior.

QUEM É A HIPER

A Linx pode pagar até R$ 50 milhões pela Hiper, uma startup de soluções de gestão na nuvem para micro e pequenos varejistas sediada na pequena Brusque, uma cidade de 125 mil habitantes no norte de Santa Catarina.

Como a Linx costuma fazer, a compra envolveu R$ 17,7 milhões à vista, mais até R$ 32,3 milhões entre 2019 e 2021, condicionados ao cumprimento de metas.

Fundada em 2012, a Hiper tem 15 mil clientes ativos em 2 mil municípios e mais de 600 canais de distribuição. O faturamento bruto da Hiper esperado para 2019 é de R$ 13 milhões.

Os fundadores Tiago Vailati, Marinho Silva e Marcos Fischer respectivamente CEO, COO e CCO da empresa, são três ex-funcionários da TI da Havan, onde trabalharam por cerca de uma década, antes da companhia se tornar famosa pelas peripécias políticas do dono, Luciano Hang.