O Uber vai iniciar sua operação em Porto Alegre a partir das 15h. Foto: Prathan Chorruangsak/Shutterstock.

O aplicativo de transporte Uber iniciou oficialmente sua operação em Porto Alegre a partir das 15h desta quinta-feira, 19.

O diretor-geral do Uber no Brasil,  Guilherme Telles, divulgou a informação durante entrevista à Rádio Gaúcha.

O Uber conta com duas modalidades - UberX e UberBlack. Em Porto Alegre, a versão que funcionará por enquanto é a X, considerada até 30% mais barata.

A diferença dos modelos é o tipo de veículo utilizado para o transporte. Telles exemplificou os veículos “mais simples” utilizados pelos motoristas do UberX com os modelos HB20 e Ecosport.

Durante a entrevista, a Rádio Gaúcha contatou o diretor-presidente da EPTC, Vanderlei Cappellari, que informou que o Uber é considerado transporte clandestino na capital gaúcha.

Segundo ele, a equipe da área de transporte clandestino vai atuar normalmente hoje, sem barreiras ou atividades especiais. Mesmo assim, um trabalho especifico de inteligência vai monitorar o serviço e, ao detectar um transporte remunerado (considerado ilegal), aplicará multa de R$ 5.860 e recolhimento do veiculo.

No final de setembro, o Baguete noticiou em primeira mão que o Uber estava com uma vaga aberta para gerente na capital gaúcha. Semanas depois, foram abertas outras duas, para gerente de marketing e outro de operação e logística.

Ao longo desse período, no entanto, o Uber negava que estivesse em processo de abrir em Porto Alegre, mas já registrava motoristas interessados pelo site http://www.parceirospoa.com.

A escolha pelo UberX e não o UberBlack, com veículos de luxo, provavelmente tem a ver com o baixo preço médio de uma corrida de táxi em Porto Alegre, que fica na faixa de R$ 10, segundo a reportagem do Baguete averiguou com taxistas da capital.

Em São Paulo, onde o aplicativo estreou no Brasil, as corridas do Uber são ligeiramente mais baratas que as dos táxis normais. Além da capital paulista, o app funciona também em Brasília, Belo Horizonte e Rio de Janeiro, mas encontra dificuldades por onde passa.

No Rio de Janeiro, o prefeito Eduardo Paes (PMDB) sancionou uma lei proibindo o Uber. Segundo a lei aprovada, motoristas e empresas não regulamentados pela prefeitura que forem flagrados realizando transporte de passageiros na cidade deverão pagar multa de até R$ 2 mil.

Mesmo assim, o serviço tem operado normalmente, pois a Justiça do Rio de Janeiro concedeu uma liminar garantindo o funcionamento do Uber.

Já São Paulo regulamentou o serviço de uma maneira que na prática limita as possibilidades de expansão até o ponto em que podemos falar de uma "proibição branca". O prefeito Fernando Haddad (PT) anunciou a criação de 5 mil novos alvarás para transporte individual de passageiros e o lançamento de uma categoria de “táxi preto”, que só poderá operar por meio de aplicativos, entre eles o Uber. 

O Uber se opôs à regulamentação e afirmou que “não é uma empresa de taxi e, portanto, não se encaixa em qualquer categoria deste tipo de serviço, que é de transporte individual público”.

De acordo com a nova proposta de São Paulo, os aplicativos deverão ser credenciados e só poderão operar com os 38 mil taxistas com alvarás na cidade – os 33 mil já existentes e cinco mil novos (pretos) que serão sorteados.

Os cinco mil novos alvarás serão sorteados pela Caixa Econômica Federal e os motoristas que concorrerem precisam ter o Condutax – cadastro na Prefeitura que habilita o condutor a exercer a atividade de taxista.

A prefeitura também anunciou que seria publicado um decreto pararegulamentar novos serviços de transporte individual (no qual o Uber se encaixaria, na visão da empresa) em um prazo de 60 dias.

No caso de Porto Alegre, a atual legislação só permite o exercício de serviços remunerados de transporte para motoristas registrados junto à Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), o que inviabiliza o início do Uber na capital gaúcha.

Atualmente a capital gaúcha tem 3.920 táxis em circulação, com 10 mil motoristas credenciados a operá-los.

Desde o anúncio do início da operação, os usuários do app em Porto Alegre estão recebendo uma mensagem no Uber que marca o começo da empresa na cidade. Escrito com um "gauchês" não muito natural, o recado não é a única estratégia para se aproximar do público local.

Hoje, a Zero Hora publicou um texto em que Marcos Piangers relata como foi a primeira corrida do Uber na cidade, feita com ele e outros colegas do programa de rádio Pretinho Básico, da Atlântida - emissora focada no público jovem.