Deborah Pilla Villela.

Unisinos e Sebrae-RS realizarão em 2015 um mapa da chamada “economia criativa” de Porto Alegre, comissionado pelo Inovapoa.

O levantamento é um desdobramento do Plano de Economia Criativa um estudo sobre o segmento na cidade apresentado pela agência de promoção da inovação nesta quarta-feira, 17.

“A ideia é identificar que tipos de empresas criativas estão presentes em cada bairro da cidade, começando pela área do 4º Distrito”, revela a secretária do Inovapoa, Deborah Pilla Villela.

O foco no 4º Distrito, a antiga área industrial na entrada de Porto Alegre atualmente em estado bastante deteriorado é parte de uma estratégia de encaixar o esforço de promoção da ecomomia criativa junto com as iniciativas da prefeitura para revitalização da área.

Incentivos fiscais devem entrar em cena para atrair empresas para a região, incluindo deduções de IPTU e outras taxas municipais, adianta Deborah. Um fundo também já foi constituído e está em fase de regulamentação.

Para a Unisinos, em particular, fazer parte do levantamento atende o interesse da universidade de São Leopoldo de continuar sua aproximação com Porto Alegre, movimento iniciado já há alguns anos e turbinado com a decisão de construir um novo campus na capital ao custo de R$ 250 milhões.

O Centro Universitário Metodista – IPA já tem um polo de economia criativa na área, instalado na sua unidade do shopping DC Navegantes e focando nas áreas de moda, design e arquitetura.

A Unidade DC Navegantes do IPA tem mais de 800 alunos em Arquitetura e Urbanismo, Engenharia Civil, Engenharia de Produção, Design de Moda, além dos cursos Tecnólogos de Análise e Desenvolvimento de Sistemas e Design de Interiores.

Economia criativa é uma definição algo vaga para novos empreendimentos em áreas como arte digital, audiovisual, jogos eletrônicos, moda e design. Dependendo de quem faça as definições, pode incluir também artesanato, culinária e folclore.

Desde outubro de 2013, a prefeitura da capital vem liderando uma mobilização em torno do tema, por meio do Comitê de Economia Criativa de Porto Alegre, no qual estão representados 38 entidades.

O grupo reúne uma série de órgãos de governo e entidades diversas como a Associação de Desenvolvedores de Jogos Digitais do Rio Grande do Sul e o Instituto dos Arquitetos do Brasil, passando pela Associação Gaúcha de Dança e a Fundacine.

A área de TI está representada através do Conselho das Entidades de TI do Rio Grande do Sul. Também participam entidades de ensino como Unisinos, Unirriter e PUC-RS.