O Uber abriu quatro vagas de emprego em Recife. Foto: Prathan Chorruangsak/Shutterstock.

O Uber abriu quatro vagas de emprego em Recife, demonstrando que a chegada do app na cidade está próxima. No LinkedIn, a empresa divulga as oportunidades de gerente geral, coordenador de operações, gerente de operação & logística e gerente de marketing.

Em Porto Alegre, última cidade brasileira a receber o Uber, o intervalo entre a divulgação das vagas de emprego locais e o início da operação do app foi de aproximadamente dois meses.

Além da capital gaúcha, também contam com o Uber as cidades de São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Brasília.

A chegada em Recife promete ser mais um desafio para o Uber, que enfrenta resistência de taxistas e representantes do governo por onde passa.

Em setembro, antes da empresa insinuar qualquer intenção de chegar à capital pernambucana, a Câmara de Vereadores do Recife aprovou uma lei que proibe a circulação de motoristas particulares contratados via aplicativo de celular.

O projeto de lei aprovado veta “a disponibilização de motoristas e veículos que não atendam as exigências da Lei Federal 12.468/2011 ou a legislação municipal que disciplina o transporte individual de passageiros”. O texto ainda impõe uma multa de R$ 2 mil para a operadora ou administradora do aplicativo que descumprir a lei.

Em São Paulo, onde o aplicativo estreou no Brasil, a prefeitura regulamentou o serviço de uma maneira que, na prática, limitava as possibilidades de expansão até o ponto em que era possível falar de uma "proibição branca". 

O prefeito Fernando Haddad (PT) anunciou, em outubro, a criação de 5 mil novos alvarás para transporte individual de passageiros e o lançamento de uma categoria de “táxi preto”, que só poderá operar por meio de aplicativos, entre eles o Uber. 

No entanto, no final de dezembro a Câmara Municipal de São Paulo aprovou em primeira discussão o projeto de lei 421/2015, do vereador José Police Neto (PSD), que prevê a regulamentação do compartilhamento de automóveis na cidade e abre espaço para serviços como o Uber. Para virar lei, o projeto depende ainda de uma segunda votação e da sanção do prefeito.

O Departamento de Transportes Públicos (DTP) da Secretaria Municipal de Transportes (SMT) ainda informou, na época, que especificamente sobre os veículos que utilizam o Uber, até o momento, não há qualquer lei que defina o uso do aplicativo em São Paulo ou mesmo no Brasil. 

No Rio de Janeiro, o prefeito Eduardo Paes (PMDB) chegou a sancionar uma lei proibindo o Uber. Segundo a lei aprovada, motoristas e empresas não regulamentados pela prefeitura que forem flagrados realizando transporte de passageiros na cidade deverão pagar multa de até R$ 2 mil.

Mesmo assim, o serviço tem operado normalmente, pois a Justiça do Rio de Janeiro concedeu uma liminar garantindo o funcionamento do Uber.

Enquanto isso, Porto Alegre deu um passo tímido em relação à regulamentação do Uber no final de novembro, quando houve uma reunião de representantes do app e do governo municipal. Ficou decidida a criação de um grupo de trabalho para discutir temas de mobilidade.

O Uber está operando em Porto Alegre desde o dia 19 de novembro. Desde o início das atividades, alguns veículos já foram apreendidos por transporte clandestino de passageiros. Além disso, um motorista do Uber foi agredido por taxistas.