Samuel Toniazzo.

Tamanho da fonte: -A+A

A Constat, uma empresa tradicional no mercado de TI gaúcho, está entrando em um novo ramo: automação residencial.

 A empresa acaba de criar uma nova divisão focada no tema, com foco tanto em projetos residenciais como empresariais.

 As principais fornecedoras de tecnologia em um primeiro momento serão  Amazon (Alexa), Broadlink, Bestcon, Livolo e HTS2.

 A empresa já entregou um projeto no data center da própria Constat, onde foi feita a instalação de sistemas de controle de refrigeração de forma automática, gestão de sensores de temperatura e abertura da porta do data center por acesso remoto, além de uma residência particular em Porto Alegre, que agora conta com controles de climatização, iluminação e entretenimento. 

“A oferta da Constat Automação prevê soluções de inteligência para gestão e operação de equipamentos e soluções variados. Televisões, monitores, sistemas de iluminação e refrigeração, sistemas de monitoramento e segurança, tomadas, entre outros, estão inclusos no portfólio que podemos atender”, afirma o engenheiro de soluções Samuel Toniazzo, responsável pela nova unidade.

A nova oferta tem relação com a atuação tradicional da Constat, que tem entre suas verticais de negócio monitoramento e assistência técnica de hardware, além de ter um produto próprio de gestão de service desk, o Qualitor.

Só no Brasil, a estimativa da Associação Brasileira de Automação Residencial e Predial (Abarp) é de que ainda este ano o número de residências com algum tipo de automação chegue a 2 milhões, sem levar em conta ambientes empresariais. 

Já globalmente, este segmento deverá movimentar mais de US$ 100 bilhões também este ano.

Até 2022, o mesmo estudo indica um cenário em que uma típica casa de família chegue a ter mais de 500 dispositivos conectados, entre soluções de segurança, conforto, lazer, limpeza, energia e outros.

Só em se tratando de energia, um dos pontos mais comentados quando se fala em automação, há casos de prédios inteligentes em São Paulo  que, segundo a Abarp, chegam a reduzir em até 40% o valor da taxa de condomínio, unicamente em função de cortes nos desperdícios de eletricidade.