Carlos Alberto Schwager. Foto: divulgação.

A Sonda IT lançou o primeiro aplicativo fiscal a fazer uso da plataforma de computação em memória da SAP, o Hana, nesta quarta-feira, 20.

Projetado com investimentos de R$ 2,5 milhões, o Comply visa um grupo de 50 grandes empresas clientes que já usavam a versão anterior da solução fiscal e podem ter ganhos de negócio por um processamento mais rápido dos seus processos de escrituração fiscal.

A meta é ter o cliente número 1 em abril e pelo menos 20 implementações até o final do ano.

“Empresas de utilities e telecom, por exemplo, podem deixar de ser apenas reativos em relação ao processo fiscal e usar esses dados de maneira produtiva para o negócio”, explica Carlos Alberto Schwager, diretor para SAP Business da Sonda IT.

A novidade é possível pelo lançamento por parte da SAP, nesta segunda, 18, do Tax Management Framework, a base de dados unificada rodando a partir da qual os aplicativos fiscais de empresas parceiras na área fiscal podem acelerar a performance das suas soluções, permitindo consultas repetidas e o ganho de negócio prometido.

Em laboratório, a Sonda IT conseguiu um desempenho 270 vezes superior ao normal, garante Schwager.

O pioneirismo da Sonda IT deve durar pouco.

Diego Dzodan, presidente da SAP Brasil, afirmou que já há três parceiros prontos para fazer a oferta no Brasil, revelando apenas o nome da AllTax, consultoria tributária de Fortaleza que não atuava antes como parceira da SAP.

 Hoje, a SAP tem 10 parceiras que atuam com soluções tributárias incorporadas aos seus sistemas de gestão grupo de que inclui empresas do porte da Mastersaf, adquirida em 2011 pela Thompson Reuters.

A SAP já está trabalhando junto com as Big Four do ramo de auditoria fiscal - KPMG, Deloitte, Ernest Young e PWC - para que elas usem a nova tecnologia como ferramenta de aconselhamento dos seus clientes.

Em um país no qual mais de 80 impostos representaram 36,3% do PIB em 2012, gestão tributária é um lugar óbvio para começar a impulsionar o uso do Hana, tecnologia com a qual a SAP está entrando no mundo dos bancos de dados e promovendo um ataque direto à concorrente Oracle.

O Hana é um appliance no qual os dados compactados por um software especial da SAP são armazenados em memórias terabytes de chips de memória do tipo RAM, em hardware fabricado pela HP, Dell, Fujitsu ou IBM. A base de clientes em nível mundial é de 380.

Não há números sobre a quantidade de clientes no Brasil, mas analistas falam em pouco mais de uma dezena.

A estratégia no entanto está clara. Depois de lançar as aplicações analíticas e de mobilidade baseadas em Hana, a SAP colocou o próprio sistema de ERP para rodar na plataforma.

As aplicações, no entanto, são o fator que deve convencer os clientes a porem a mão no bolso.

Maurício Renner cobre o SAP Fórum à convite da SAP.