Anderson Martins (Gerente Logística) e Cezar Loureiro (Gerente Operações). Foto: Divulgação.

O e-commerce ImpressorAjato.com, focada em cópia e impressão, fechou 2014 com uma receita de R$ 10 milhões. O valor representa 35% de crescimento em relação a 2013. Para este ano, a meta é crescer 30%, chegando a R$ 13 milhões.

Hoje, a empresa vende cerca de 500 máquinas por mês, e foca sua atuação no meio corporativo, com pequenas e médias empresas (PMEs).

Atualmente, a loja virtual conta com 9 marcas no portfólio: Brother, Canon, Epson, Samsung, Lexmark Iris, Panasonic, HP e Fujitsu.

Segundo a empresa, as parcerias fechada com Epson e Fujitsu em 2014 colaboraram com o resultado positivo alcançado no ano.

“A alta na demanda por scanners no Brasil, devido ao aumento da necessidade de digitalizar documentos, também foi um ponto muito positivo do ano”, afima Marcel Schmidt, diretor da empresa.

Segundo ele, o aumento da exigência por digitalização deve seguir em 2015, colaborando com o desempenho da empresa.

“Hoje o volume de impressão não cresce tanto quando a economia global, mas no Brasil e na América Latina esse número ainda se mantém melhor, então ainda vemos potencial no mercado”, relata.

Para ampliar a atuação da empresa, durante a Black Friday de 2014 foram realizadas ações focadas em pessoas físicas, o que serviu para testar a possibilidade de atuar no nicho.

“Ficamos contentes com o resultado, então intensificaremos o trabalho com esse público ao longo de 2015, expandindo o portfólio de máquinas de entrada”, afirma Schmidt.

Nesse segmento, apesar da maior concorrência, o diretor acredita que a empresa se destaca pela entrega rápida. Os produtos do ImpressorAjato.com chegam ao comprador em até 24 horas nas capitais do sudeste e Curitiba, para pedidos feitos até às 12h. 

Em Porto Alegre, Florianópolis e algumas capitais do nordeste, o tempo passa para dois dias. Outras localidades são atendidas em, no máximo, quatro dias. 

“Para aperfeiçoarmos a logística, inauguramos em 2014 um novo centro de distribuição, no Espírito Santo. O primeiro centro da empresa fica no Rio de Janeiro”, conta Schmidt.

Além disso, há possibilidade de ingresso no mercado de impressão 3D.

“Temos duas impressoras 3D em teste, mas ainda vemos o mercado com experimentação. Por isso, ainda estudamos a viabilidade comercial, principalmente considerando marcas de entrada, pelo foco em PMEs”, explica.