Chip Luiza, futuramente com NFC. Foto: divulgação.

O Magazine Luiza planeja incluir a funcionalidade de Near Field Communication (NFC) no chip Luiza, SIM Card vendido pela rede varejista, em uma ação de co-branding realizada junto à Claro.

De acordo com o Mobile Time, a proposta está em análise pela rede, conforme divulgou o diretor de marketing do Magazine Luiza e responsável pelo projeto chip Luiza, Rogério Bruxellas.

A solução, focada nos consumidores da classe C, quer disponibilizar a tecnologia NFC a um público que ainda não conta com smartphones mais avançados que já vem com a tecnologia embarcada.

Ao colocar a tecnologia no SIMCard, estes usuários terão a possibilidade de realizar pagamentos móveis com qualquer smartphone.

“Se o nosso cliente não tem um aparelho que já venha com NFC, ele poderia fazer pagamentos móveis com o nosso chip. Nosso objetivo é democratizar o acesso à tecnologia para a classe C”, afirmou Bruxellas.

Conforme ressalta o executivo, o projeto para democratizar os pagamentos móveis dependerá do contrato com as fabricantes de chip e da disposição das operadoras em comprar os chips com essa tecnologia. A fabricante que atualmente fabrica o chip Luiza é a Gemalto.  

NFC

Recentemente, a Gemalto anunciou, em parceria com a TIM e o Itaú, uma das primeiras iniciativas de m-payment por NFC no país.

O projeto utiliza o cartão SIM UpTeq NFC e a plataforma Allynis Trusted Services Management (TSM) da multinacional de segurança para permitir que os assinantes da operadora façam pagamentos do banco apenas aproximando seus smartphones de terminais de pagamento com tecnologia contactless.

Inicialmente, um piloto será realizado em mais de 100 restaurantes, cafés e lojas do Brasil, mas a meta é levá-lo a novos serviços, como transporte público, em breve, afirma Roger Solé, CMO da TIM Brasil.

Globalmente, um levantamento feito pelo site de tecnologia TechCrunch em 2012 estimou que as transações via pagamentos móveis poderiam atingir a casa dos US$ 171,5 bilhões nos EUA no ano, aumento de 60% em relação a 2011.

O estudo mostrou também que o número de pessoas que usa alguma forma de pagamento móvel também deveria crescer 32% ano/ano no país, chegando a 212,2 milhões de pessoas no fim de 2012.