BlackBerry conseguiu lucrar US$ 23 milhões. Foto: flickr.com/louisiana.

O BlackBerry anunciou seu resultado do primeiro trimestre do ano fiscal de 2015. A receita do foi de US$ 966 milhões, o que representa uma queda de US$ 10 milhões - ou 1% - em relação ao mesmo período do ano anterior.

Para o New York Times, o “prejuízo trimestral menor do que o esperado” conta como uma boa notícia para a empresa.

Os planos da BlackBerry para introduzir novos smartphones e software de gerenciamento móvel atualizados este ano permanecem. O esfoço do presidente executivo John Chen em reduzir despesas ajudou a empresa canadense a conseguir, surpreendentemente, algum lucro no início do ano fiscal.

No primeiro trimestre, encerrado em 31 de maio, a empresa reduziu suas despesas operacionais em 57% em relação ao ano anterior, e 13% a partir do quarto trimestre do último ano fiscal. 

Isso ajudou a empresa a gerar um lucro inesperado de US$ 23 milhões para o período, bem à frente da perda de US$ 423 milhões publicada há três meses e da perda de US$ 84 milhões registrada há um ano.

A composição da receita do trimestre foi de aproximadamente 39% em hardware, 54% para os serviços e 7% para software e outras receitas.

"Nosso desempenho no primeiro trimestre fiscal demonstra que estamos no bom caminho para atingir marcos importantes, incluindo nossos objetivos financeiros e a entrega de um forte portfólio de produtos ", disse John Chen, presidente e CEO do BlackBerry.

Ainda assim, o CEO permanece cauteloso, pois a receita da empresa continua sob pressão e não é esperado um crescimento para os próximos meses, de acordo com o Wall Street Journal.

“Ainda há muito trabalho a fazer", afirmou Chen aos acionistas na reunião anual da empresa.

"Será que vamos voltar para o estado icônico [que o BlackBerry já atingiu]? Eu não sei, mas vamos tentar", comentou.

Algumas das maiores dúvidas enfrentadas pela BlackBerry cercam seu negócio de telefonia, para o NYT. 

As vendas de telefones da empresa subiram para 1,6 milhões de aparelhos, contra 1,3 milhões no trimestre anterior. Mas, durante o mesmo período do ano passado, a BlackBerry comercializou 6,8 milhões de telefones. A Apple, em comparação, vendeu 43,7 milhões de iPhones durante o trimestre mais recente.

Chen está apostando na introdução de novos dispositivos destinados a mercados emergentes, onde BlackBerry permanece uma marca relativamente popular, e na sua base tradicional de clientela - governos e público corporativo - para recuperar a quota de mercado.