Federico Vega, CEO da CargoX. Foto: Divulgação.

A CargoX recebeu uma segunda rodada de investimentos, com valor de R$ 35 milhões. O banco Goldman Sachs liderou a rodada.

O aporte contou ainda com a permanência da participação do fundo de investimentos Valor Capital Group e dos investidores existentes, Oscar Salazar (co-fundador do Uber), Hans Hickler (ex-CEO da DHL Express US), Agility Logistics e Lumia Capital. 

Em sua primeira rodada de investimentos, a CargoX recebeu R$ 14 milhões, liderada pelo Valor Capital Group. 

A CargoX utiliza tecnologia com o objetivo de reduzir os custos de transporte, utilizando a capacidade excedente existente dos caminhões e melhorar a visibilidade do frete.   

“Nós acreditamos que a CargoX sabe usar de seu domínio da tecnologia para promover mudanças de grande escala no setor”, diz Hillel Moerman, codiretor da Goldman Sachs Private Capital.

De acordo com Federico Vega, CEO da CargoX, com os recursos a empresa prentede alavancar a tecnologia e o design da ferramenta, para que a CargoX possa permanecer conectada a uma rede de milhares de caminhoneiros, em tempo real. 

“A nova rodada de investimentos permitirá que aprimoremos a nossa plataforma para continuar a escalonar as nossas atividades e revolucionar o transporte de carga, trazendo inovações e uma cultura fortemente pautada na meritocracia para um dos maiores e mais tradicionais setores da nossa economia”, explica.

Moerman, do Goldman Sachs, também fará parte do conselho da CargoX, juntamente com os membros atuais, incluindo Oscar Salazar (co-fundador do Uber), Hans Hickler (ex-CEO da DHL Express US) e Michel Nicklas, do Valor Capital.

O transporte rodoviário de cargas brasileiro (TRC) é responsável por mais de 65% do volume de mercadorias movimentadas no Brasil e seu custo representa cerca de 6% do PIB do país. 

Segundo dados divulgados pela CargoX, o Brasil tem uma frota excedente de aproximadamente 350 mil veículos (35%), o que gera mais de 30% de viagens com o caminhão vazio.

Para seu primeiro ano de atuação, a CargoX prevê um faturamento de R$ 48 milhões.