Baguete
InícioNotícias> 4all está no Tecnopuc

Tamanho da fonte:-A+A

STARTUPS

4all está no Tecnopuc

Maurício Renner
// terça, 21/02/2017 10:04

A 4all, plataforma de aplicativos e meios de pagamento gaúcha, terá uma operação no Tecnopuc por meio de um espaço dentro da nova área de coworking do parque tecnológico da PUC-RS.

A 4all terá uma operação no Tecnopuc. Foto: Bruno Todeschini/PUCRS.

Em nota, a PUC-RS informa que a 4all vai disponibilizar tecnologias para as startups já instaladas, além de criar um espaço multiuso para permitir experiências reais a partir das soluções que já disponibiliza ao mercado.

“A 4all agrega uma tecnologia inovadora, um mindset digital e grande potencial de sinergia com todo o ambiente”, destaca o diretor do Tecnopuc, Rafael Prikladnicki.

O coworking ocupará um espaço privilegiado na nova estrutura do Global Tecnopuc, ocupando 300 metros quadrados em uma passarela aérea que conecta os dois prédios do local, inaugurado em agosto de 2015 com um investimento de R$ 17 milhões feito por PUC-RS e HP Inc.

A inauguração do espaço de coworking deve acontecer ainda no primeiro trimestre. A PUC-RS ainda não divulgou quem será o operador do espaço (a ideia inicial era trazer uma companhia especializada) ou quais serão as regras de acesso para profissionais sem vínculo com a universidade gaúcha.

Seja como forem os detalhes, a ideia de estar dentro do coworking funciona muito bem para 4all, que depende para o sucesso do seu modelo de negócios na capacidade de agregar mais e mais serviços, muitas vezes criados por terceiros.

Pelo lado das startups, a vantagem é contar com um parceiro capaz de fazer integração tecnológica com sistemas legados, e, principalmente, com muita experiência quando o assunto são meios de pagamento (o CEO da 4all é José Renato Hopf, fundador da Getnet).

Hoje o app da 4all já tem disponíveis funcionalidades de pagamento de estacionamento (4Park), marcação de salões de beleza (4Beauty), reserva de restaurantes e telentregas (4Food), recarga de cartões de transporte coletivo (4Mobility) e pagamentos móveis para tudo isso (4Pay).

Algumas dessas funcionalidades foram criadas internamente e outras são produtos de investimentos em quantidades não reveladas por parte da 4all em startups e empresas já presentes no mercado e com bases de usuários. 

Entre uns e outros, a 4all afirma  já ter 8 milhões de usuários, principalmente em São Paulo e Rio de Janeiro. 

A empresa, no entanto, veio a público em Porto Alegre no final do ano passado, em meio a grande repercussão na mídia (Hopf provavelmente se tornou um milionário com a venda da GetNet) e uma campanha agressiva de marketing incluindo patrocínio e parcerias com o Grêmio.

Hopf disse que Porto Alegre será o ponto de partida para planos muito maiores. A meta era ter a metade da população (estamos falando de 700 mil pessoas) usando alguma aplicação da 4all até o final do ano passado, para avançar em outras cidades em 2017 e globalmente em 2018.

Pelo o que a reportagem do Baguete pode averiguar, a empresa tem no momento cerca de 100 funcionários na capital gaúcha (outras 50 vagas estão em aberto nesse momento). O rumor que circula é que Hopf e investidores teriam R$ 100 milhões em capital disponível.

Ainda que não possa ser considerada uma fintech, a 4all tem uma parte importante do seu diferencial na questão de pagamentos eletrônicos e a sua vinda pode ser considerada mais um ponto para o Tecnopuc em atrair investimentos nesse segmento.

A área financeira está passando por uma revolução no país. De acordo com um levantamento do FintechLab, existem mais de 200 empresas brasileiras na área. 

O Tecnopuc aposta na área para compensar a saída da operação da Dell, que levou seu desenvolvimento para sua sede em Eldorado, e os cortes recentes nos times da HPE e HP Inc. Tanto a Dell como a então HP estiveram entre as primeiras empresas a se instalar no parque, no começo dos anos 2000.

O movimento parece estar sendo bem sucedido. No começo do ano, o Sicredi, cooperativa de crédito gaúcha com presença nacional, anunciou a instalação de 50 profissionais em um espaço de 600 m² dentro do Tecnopuc. Eles devem construir a nova plataforma digital do banco, criando novas ofertas e experiências digitais.

Em novembro de 2016, o parque anunciou a volta da Getnet, adquirente de cartões do Santander, que não deu maiores detalhes sobre seus planos para a operação.

Maurício Renner