Andréia Rengel, CEO da AMcom. Foto: Divulgação.

A Secretaria Municipal de Educação (SME) de São Paulo reformulou o seu portal com a AMcom, empresa de tecnologia que atua no desenvolvimento customizado e sustentação de sistemas de informação.

O projeto faz parte do Pátio Digital, iniciativa da SME que está sendo sustentada pela AMcom e, neste primeiro ciclo, contempla também a reformulação dos sistemas de alimentação escolar e de gestão pedagógica.

Com uma média de 150 mil usuários ativos por mês, o site tinha uma demanda por melhorias na acessibilidade, facilidade no fornecimento de informações e agilidade.

A equipe de desenvolvimento da companhia realizou, então, oficinas semanais para entender as necessidades dos usuários do sistema. 

Após a coleta de informações, o portal da SME foi reconstruído. As atualizações de sistemas teriam ficado mais fáceis de serem realizadas e o carregamento do site, mais leve e rápido.

Segundo a empresa, este é apenas o início da implantação do novo sistema, destacando-se o processo de migração do portal antigo, que foi desenvolvido em outro ambiente, outra tecnologia e outro sistema de gestão de base de dados. 

No acesso, a principal mudança é que agora as informações são direcionadas de acordo com cada público: estudantes e suas famílias, educadores e comunidade. 

Para estudantes e familiares, estão disponíveis funções como o acesso a vagas, escolas, boletins e cardápios das merendas.

Já a comunidade em geral pode acessar projetos como a lista de centros educacionais unificados, o pátio digital, estágios, escola aberta e o plano municipal de educação. 

No caso dos educadores, existe o acesso a concursos, currículo da cidade, escala de vencimentos e cursos.

Outro ponto do projeto foi a implantação, junto à Secretaria Municipal da Pessoa com Deficiência (SMPED) da cidade, de uma ferramenta que traduz simultaneamente conteúdos em português para libras.

Todo o Portal, desde sua arquitetura, foi construído atendendo aos requisitos de acessibilidade web, permitindo que ele também possa ser utilizado por pessoas com deficiência visual através da tradução pelos softwares leitores de tela. 

“No caso da Secretaria Municipal de Educação de São Paulo, o objetivo é tornar a tecnologia acessível e aliada dos alunos, professores e comunidade, aumentando a integração desse público”, explica Andréia Rengel, CEO da AMcom.

Para o site, ainda foram trazidos cerca de dez mil notícias e artigos com suas respectivas imagens, arquivos anexados, links externos e internos.

A AMcom  anunciou o projeto Pátio Digital em dezembro de 2018, para o qual a companhia está fornecendo a manutenção dos sistemas legados e o desenvolvimento de novas ferramentas que corroboram com os pilares do programa.

Após a fase atual, o segundo ciclo de desenvolvimento deve contemplar a gestão de pessoas e a arquitetura de dados estratégicos. O último envolverá a gestão de insumos e o suporte às unidades educacionais. 

Ao todo, serão sete células de desenvolvimento, com pelo menos três projetos por célula.

Com matriz em Blumenau e filial em São Paulo, a AMcom tem suas soluções presentes em mais de 12 países.

Entre os clientes da companhia estão nomes como Jequiti, Hering, Infraero, Ultragaz, Philips e Bunge.

Em outubro do ano passado, a empresa recebeu um aporte de R$ 15 milhões da Trivèlla M3 Investimentos, gestora independente de recursos focada em empresas brasileiras de middle-market.

Em 2020, a AMcom tem como projeção faturar R$ 100 milhões, o dobro do faturamento registrado em 2017. O objetivo é alcançar R$ 1 bilhão até 2029.