Robinson Klein. Foto: divulgação.

A Cigam, empresa gaúcha do mercado de ERP, adequou o seu software de gestão SIGE Cloud, voltado a micro e pequenas empresas, para a emissão de notas fiscais eletrônicas para consumidor (NFC-e).

O novo módulo, destinado a pontos de venda, permite o controle das vendas e das notas a partir de tablets, smartphones ou computador com acesso à internet, com planos a partir de R$ 79,90.

Ao efetuar uma venda utilizando o SIGE Cloud, o sistema irá exibir uma imagem de QR code contendo um código único da nota, possibilitando que o consumidor acesse a informação por meio do seu smartphone, por exemplo, diretamente no site da Secretaria da Fazenda.

Além de exibir o QR Code, o sistema também enviará automaticamente para o e-mail do cliente uma cópia do documento.

Ao integrar o módulo PDV na solução SIGE, adquirida este ano junto a uma startup de Bom Princípio, a empresa de Novo Hamburgo quer aproveitar o surgimento de pontos de venda e soluções de pagamento móveis para vender isso para empresas de menor porte e até mesmo comerciantes sem loja física.

“Com a possibilidade de utilizar os dispositivos móveis, o empreendedor não fica restrito um espaço físico, ele poderá comercializar seus produtos, em qualquer hora e lugar”, conta Robinson Klein, diretor de Mercado da Rede Cigam.

De acordo com Diego Steffen, gerente Comercial do SIGE Cloud, a solução garante que nem mesmo o tempo de autorização da NFC-e na SEFAZ congestione as vendas do varejista, pois a solução tem capacidade de processar centenas de cupons fiscais eletrônicos por segundo.

O SIGE Cloud é um ERP em nuvem, que roda na nuvem da Microsoft, o Azure, e já é usado por cerca de 1 mil clientes, em todo tipo de segmentos, incluindo desde cerâmicas até pequenas lojas, passando por metalúrgicas e agências de propaganda.

Com a solução, a empresa quer aumentar o percentual de clientes PMEs em sua carteira, que atualmente não chega a 5%.

O plano é subir essa fatia para 20% do faturamento da companhia, repercutindo também em um aumento de faturamento. Em 2013, a companhia hamburguense fechou o ano com uma receita de R$ 45 milhões. Para 2014, a meta é bater nos R$ 54,9 milhões, um aumento de 22%.

Lançada em novembro do ano passado, a nota fiscal eletrônica para consumidor (NFC-e) promete engrenar mesmo em 2014. Ao menos esta é a expectativa da Secretaria da Fazenda do Rio Grande do Sul (Sefaz).

Atualmente, cerca de doze empresas já adotaram a tecnologia, que dispensa a impressão de notas e faz a autenticação dos dados em tempo real, com pontos de venda conectados aos servidores da Sefaz.

Por enquanto, a nova tecnologia ainda é opcional para as empresas. O início da NFC-e no estado se deu com um piloto de março a setembro de 2013, em lojas como Panvel, Zaffari, Renner, Riachuelo, Wal-Mart e Paquetá, que experimentaram a novidade em algumas de suas unidades.

Segundo dados da Associação Brasileira de Automação Comercial (Afrac), o comércio varejista em geral deverá investir cerca de R$ 1 bilhão no ano que vem para se adequar à NFC-e.