Ronaldo Miranda, gerente-geral da AMD Brasil. Foto: AMD.

A AMD Brasil mais do que dobrou sua participação de mercado no varejo brasileiro nos 12 meses entre abril de 2011 e este ano, saltando de 11% para 27%.

Os dados, que indicam um crescimento de 145% fazem parte de uma pesquisa do estudo do instituto de pesquisas GFK divulgado pela fabricante de chips nesta quarta-feira, 20.

“Esses resultados estão relacionados à decisão da AMD de incluir o Brasil como um dos seus mercados prioritários no mundo”, analisa Ronaldo Miranda, gerente-geral da AMD Brasil e vice-presidente da empresa para América Latina.

Miranda destaca os investimentos feitos no fortalecimento da parceria com fabricantes, varejos e canais e projeta para os próximos meses um incremento do “apoio” aos fabricantes nacionais focado não só no mercado de entrada mas em máquinas de alta demanda que possam usar processadores acelerados da Série A.
 
Os processadores da Série A (A4, A6, A8 e A10) tem características de consumo de energia e capacidade de processamento voltadas ao mercado de notebooks, tanto os tradicionais como os chamados pela AMD de ultrafinos, que a concorrente Intel tem divulgado com o nome ultrabook.

As primeiras máquinas devem chegar às lojas de varejo e nos canais de distribuição no início do segundo semestre, junto com uma enxurrada de ultrabooks com chips Intel já anunciados pela concorrente.

A estratégia de negócios desenhada em 2010 pela AMD prevê um crescimento de 70% do faturamento da companhia no país, até 2014. Metas divulgadas pela companhia falam em chegar a metade do mercado brasileiro.

Atualmente, a AMD é a segunda maior fabricante de processadores do mundo, atrás da Intel. As empresas têm, respectivamente, 19,7% e 80,1% do mercado global, segundo dados de 2011 da consultoria de mercado IDC.