INOVAÇÃO

Gerdau inaugura polo robótico

21/06/2017 14:07

A iniciativa, localizada na unidade de São José dos Campos, teve investimento de R$ 500 mil.

A Gerdau inaugurou seu primeiro Polo Robótico na unidade de São José dos Campos (SP). Foto: Cliv Produtora.

Tamanho da fonte: -A+A

A Gerdau acaba de inaugurar seu primeiro Polo Robótico, localizado em sua unidade de São José dos Campos (SP). A iniciativa teve investimento de R$ 500 mil e deve contribuir com a automatização de processos industriais da Gerdau.

O projeto tam o objetivo de estimular o uso de ferramentas de robotização dentro e fora da empresa. O polo robótico foi desenvolvido em parceria com a Entev Integração Robótica e Yaskawa Motoman Robotics.

A nova área conta com um espaço para capacitação de colaboradores e para a comunidade - universitários ou interessados pelo tema - podendo receber até 600 alunos por semana. 

“O Polo Robótico está sendo lançando em um formato inédito no mercado, pois as aulas são oferecidas não apenas para colaboradores da empresa, mas também para a comunidade. A Gerdau está se reinventando nas mais diversas áreas e a inovação está presente nas mudanças de nossos serviços, logística e processos”, afirma Gustavo Werneck, diretor da Operação Aços Brasil da Gerdau.

Com a duração de quatro anos, o curso para os colaboradores da Gerdau iniciou suas aulas em abril, com uma turma de 40 pessoas de diferentes áreas e unidades da empresa no Brasil. 

A primeira turma para alunos da comunidade começará em agosto e terá inscrições pelo site do Polo Robótico

Entre as iniciativas previstas para o espaço também está a aproximação com empresas e startups para a criação de um FabLab e um HackerSpace, dedicados ao desenvolvimento e simulações envolvendo o uso de tecnologias.

“A ideia é que o polo se torne um espaço para experimentos e discussões sobre como novas ferramentas tecnológicas podem ser aplicadas aos processos industriais”, destaca Werneck.

A novidade não é a primeira da Gerdau voltada para inovação e conexão com startups. Em março, a empresa apostou em um “estilo startup” para os seus funcionários das áreas financeira, jurídica, institucional e de relações com os investidores na sede de Porto Alegre.

O estilo é inspirado nas empresas novas da área de tecnologia, com espaços abertos, wi-fi e mobiliário informal.

No entanto, as mudanças na Gerdau não dizem respeito apenas ao estilo dos ambientes. Em uma conferência com investidores em agosto do ano passado, André Gerdau Johannpeter, diretor-presidente da companhia, destacou a "modernização da cultura da empresa", com a diminuição da centralização e renovação das lideranças.

No ano passado, o próprio Johannpeter fez a abertura de um dia dedicado ao método de trabalho ágil para funcionários de todos os segmentos da empresa. 

Outro sinal nesse sentido foi a troca da CA pela ServiceNow como provedora de software de gerenciamento de incidentes de TI. A ServiceNow tem um produto rodando na nuvem e em tese mais alinhado com a nova filosofia de trabalho da Gerdau.

Neste ano, a empresa também anunciou a adoção de um sistema da General Eletric para manutenção preventiva de 1 mil equipamentos em 11 unidades do grupo siderúrgico. O projeto busca apontar precocemente falhas em equipamentos, realizar análises e trazer insights sobre o estado das máquinas e processos de logística.

Em 2016, a siderúrgica registrou prejuízo líquido de R$ 2,89 bilhões, diminuindo em 37,2% as perdas de 2015. Os motivos mais significativos para o segundo ano consecutivo de prejuízo foram um faturamento menor, baixas contábeis e operações com controladas e coligada.

Veja também

PARCERIA
Mazer distribui linha de automação da Perto

DN Automação e Officer também atuam como distribuidoras da Perto.

FEEVALE
BCS Automação terá sede no Techpark

As obras da nova sede da BSC Automação serão iniciadas no segundo semestre deste ano.

WATSON
Senior automatiza silos da Urbano

A iniciativa envolveu o uso de internet das coisas e computação cognitiva (Watson).

BRASIL
IoT deve atingir US$ 3,29 bi em 2021

O mercado de internet das coisas no Brasil movimentou US$ 1,35 bilhão no ano passado.

TECLÓGICA
R. Franco adota Mobuss Construção

Hoje, cinco dos oito módulos disponíveis no sistema estão em uso na R. Franco.