Marcos Silva, gerente de projetos da Samsung. Foto: Divulgação.

Pelo menos três brasileiros estão no grupo das 347 pessoas de 48 países que obtiveram a nova certificação de análise de negócios desenvolvida pelo Project Mangement Institute (PMI), a Professional in Business Analysis (PMI-PBA).

Com esta certificação, o PMI pretende chamar a atenção de um público que até agora pode não estar se envolvendo com áreas de gerenciamento de projetos dentro das organizações, mas está atuando em projetos. 

Segundo a organização, a atividade de análise de negócios é muito importante para o sucesso dos projetos. 

Entre os objetivos em desenvolver a nova certificação está o entendimento de que realizar análise de negócios em projetos e programas permite que as organizações implementem mudanças desejadas e atinjam objetivos estratégicos. 

A certificação PMI-PBA enfoca a habilidade do profissional em trabalhar efetivamente com as partes interessadas para definir os requisitos do negócio, moldar o resultado de projetos e conduzir os resultados de negócios ao sucesso.

A PMI-PBA teve seu primeiro piloto em 2014. Em 2015, o exame de aplicação para obter a certificação passou a estar disponível para qualquer profissional.

Marcos Silva, um dos brasileiros que já obteve o título, participou do processo de montagem da nova certificação e aproveitou o processo para se certificar. Ele é gerente de projetos da Samsung desde 2012.

“Acredito que a PMI-PBA seja muito importante para que os envolvidos em projetos possam fazer a ponte entre atender os problemas do cliente e propor uma solução ao mesmo tempo em que avalia o processo do ponto de vista técnico”, afirma.

Silva já atuou em empresas como Unify, Accenture e Instituto de Pesquisas Eldorado.

Ana Lúcia Pegetti, analista de negócios sênior na Universidade Católica de Santos desde 2008, também conquistou a nova certificação do PMI. Ela é um dos 12 profissionais certificados no Brasil pelo International Institute in Business Analysis.

“Na área de projetos ou na área de negócios, tanto o gerente de projetos quanto o analista de negócios se utilizam de ferramentas, técnicas e competências que se interseccionam. Por isso, considero a formação PMI-PBA complementar à formação PMP”, relata.

O diretor executivo e de projetos da KSC Informática, Paulo Keglevich, afirma que, nos últimos 10 anos, as ferramentas e técnicas que mais tem usado para trabalhos de recuperação de projetos problemáticos e assessoria na avaliação de riscos de contratos em editais públicos são as de analistas de negócios.

“Esta experiência bate com o que o Kerzner (um dos fundadores do PMI) começou a falar em 2009, sobre o futuro requerer que os gerentes de projeto sejam muito mais atentos e participativos na estratégia das organizações, monitorando o alinhamento de seus projetos à estratégia emergente da organização, até mesmo assessorando a definição de novos projetos”, relata.

Keglevich também atua como assessor da APMG-US, professor da Fundação Dom Cabral e conselheiro empresarial da Softsul.