O principal desafio teria sido fazer os alunos deixarem o boleto. Foto: Pexels.

Tamanho da fonte: -A+A

O Centro Universitário Sumaré, sediado em São Paulo, adotou a solução da Adyen, plataforma de pagamentos de origem holandesa, para evitar a inadimplência com cobrança via cartão de crédito.

A instituição recebeu autorização do Ministério da Educação (MEC) para oferecer cursos EaD em escala nacional em novembro de 2019 e, com isso, foi preciso reavaliar os processos para garantir uma melhor experiência para os novos alunos. 

“Nós tínhamos que adaptar nosso produto para que o estudante pudesse consumi-lo como pudesse e da maneira que quisesse”, explica Fernando Soria, CEO do Centro Universitário Sumaré.

Com a chegada da pandemia, em paralelo ao começo do período letivo, essa urgência foi reforçada e o projeto com a Adyen foi fechado em maio de 2020.

Agora, o processo de inscrição leva menos de cinco minutos para ser finalizado, direcionando o candidato à página de assinatura de contrato e definição da forma de pagamento.

Segundo o centro universitário, o principal desafio foi fazer com que uma grande parcela dos alunos migrassem do tradicional pagamento em boleto para o cartão de crédito. Por isso, é oferecida uma degustação de 30 dias do curso escolhido para quem optar pelos pagamentos em cartão.

Com este método de pagamento, a instituição consegue avaliar melhor o risco do aluno não conseguir pagar a mensalidade e pode também permitir descontos progressivos para estimular que o estudante quite o valor com antecedência.

Como resultado, o centro viu um aumento de 30% nas taxas de autorização e, no primeiro trimestre de 2021, conseguiu reduzir a inadimplência das mensalidades em 80% em comparação com o ano anterior.

"Conseguimos reduzir a inadimplência graças à praticidade de pagamento no modelo de recorrência da Adyen. Não é o boleto que você tem que pagar todo mês, nem o débito automático que é difícil de habilitar. É um mini pagamento invisível que entrega conveniência para o aluno", explica Soria.

Fundada em 2000, a então Faculdade Sumaré recebeu em 2019 o status de Centro Universitário. Com 14 polos espalhados pelo país, a instituição possui mais de 50 cursos nas áreas de educação, saúde, gestão, engenharia e tecnologia.

“Os resultados do Centro Universitário Sumaré mostram como os pagamentos devem ser vistos como um asset estratégico capaz de aumentar receita e fidelizar clientes", destaca Gil Anauati, head de contas da Adyen para América Latina.

Fundada em 2006, a Adyen conta com escritórios em 24 países e atua no Brasil desde 2011. Em seu portfólio brasileiro, estão empresas como Magazine Luiza, Via, Uber, 99, iFood, Arezzo, Dafiti e MadeiraMadeira — impactando mais de 50 milhões de consumidores.