Amazon agora com produtos físicos no país. Foto: Julie Clopper/Shutterstock.com

Quase dois anos depois de chegar oficialmente ao Brasil, apenas com a venda do Kindle e e-books, a Amazon finalmente iniciou a sua venda de livros impressos em território brasileiro.

Com início nesta quinta-feira, 21, a multinacional do e-commerce larga com cerca de 150 mil livros em seu catálogo, o maior do país segundo a companhia.

Para reforçar a novidade junto aos seus clientes brazucas, a empresa inclusive enviou e-mails de divulgação para a base de brasileiros cadastrados nos sites internacionais da empresa.

No lançamento, os consumidores terão direito a frete grátis para todo o Brasil em pedidos a partir de R$ 69. A empresa também terá entrega expressa para alguns locais na grande São Paulo.

Além disso, clientes em determinados CEPs na Grande São Paulo terão entrega no dia útil seguinte em pedidos realizados até 11h (de segunda a sexta). Consumidores podem também comparar preços e escolher entre livros impressos e eBooks Kindle.

Na parte dos preços, a empresa investiu em uma abordagem semelhante ao que é feito nos Estados Unidos, com descontos e preços maiores que a média concorrente, assim como preços mais baixos para as versões digitais.

A reportagem do Baguete pesquisou preços de títulos entre os mais vendidos da Veja. No caso do primeiro colocado, A Culpa é das Estrelas, de John Green, a diferença entre o preço da Amazon e concorrentes como Saraiva é baixo - Amazon oferece o livro por R$ 17,90, enquanto a rival vende por R$ 18,90.

No caso de outro best-seller, como Divergente, de Veronica Roth, a Amazon não oferece o preço mais barato. O site da Saraiva oferece o livro por R$ 20,90, contra os R$ 22,90 cobrados pela Amazon.

Entretanto, em livros mais específicos e menos procurados, a loja norte-americana conta com descontos mais generosos. A edição nacional de Ulisses, de James Joyce, é comercializada por R$ 69,90 pela Amazon, enquanto que em outros sites um exemplar fica na casa dos R$ 90.

Alinhada com a estratégia de venda de e-books, a multinacional aposta em uma venda combinada de formatos, com o serviço "Leia Enquanto Enviamos", com cerca de 13 mil livros inclúdos. Com isso, o cliente pode começar a ler em formato digital, enquanto a Amazon envia o livro impresso.

No mercado nacional desde dezembro de 2012, quando iniciou a venda do e-reader Kindle, assim como livros digitais, a empresa demorou para iniciar sua operação física. Neste tempo, a empresa chegou a ser envolvida em diversos rumores, como a compra da Livraria Saraiva, negócio que não foi adiante.

A estratégia ganhou tração de novo no início de 2014, quando a gigante de e-commerce firmou uma parceria com a Luft, empresa de logística, para o armazenamento e distribuição de livros físicos, estabelecendo um centro de distribuição em São Paulo.

Após as vendas de livros, o mercado acredita que o próximo passo da Amazon será a comercialização de CD, DVD e games, seguindo a proposta de venda de produtos tecnológicos iniciada com a loja de apps para Android no ano passado.