Eduardo Borba. Foto: divulgação.

A Sonda IT, integradora de TI com atuação na América Latina, anunciou investimentos em produtos e ofertas para atingir novas verticais, com o lançamento do pacote Sonda Logistics e a criação de uma divisão de Managed Device Services no Brasil.

Segundo a empresa, as novidades fazem parte de um investimento de US$ 200 milhões para o seu crescimento orgânico, que envolve o triênio de 2013 a 2015.

No caso do pacote Sonda Logistics, a empresa investiu R$ 3,4 milhões só nesta oferta, agregando produtos de Warehouse Management System (WMS), Transport Management System (TMS) e Yard Management System (YMS).

A oferta está sendo lançada a partir da aliança da Divisão de Aplicativos da Sonda IT com a empresa europeia Quantum. O objetivo é atender clientes no mercado industrial interessados em otimizar processos em sua cadeia produtivs.

“Vamos agregar nossa expertise às ferramentas a partir de customizações e parametrizações, que serão os diferenciais dessas aplicações para o mercado local”, explica o VP da divisão de Aplicativos da Sonda IT, Eduardo Borba.

Com a solução, a empresa mira oportunidades como a do mercado farmacêutico no país. Segundo determinação da Anvisa, as empresas do setor, desde fabricantes até hospitais, deverão ter sistemas para controlar o trânsito e manuseio de medicamentos.

"A meta é atender o nível operacional e elevar o uso das ferramentas para uma melhor gestão da empresa, que, consumindo informações geradas pelos módulos logísticos e fiscais, terão visões gerenciais em diversos níveis, tais como operacional, tático e estratégico", afirmou a empresa em nota.

MDS

Para a área de serviços de dispositivos gerenciados, a Sonda IT replicará no Brasil o modelo já utilizado há mais de 20 anos no Chile e soma o controle de 120 mil ativos na América Latina.

Além do Brasil, a empresa levará a oferta para países como México, Peru e Colômbia. A proposta é disponibilizar às empresas, através de hardware como serviço (HaaS), uma gestão de ativos completa como serviço, envolvendo todo o ciclo de vida desses bens, desde a compra, passando pela manutenção até a sua obsolescência.

No Brasil, a área passa a ser liderada por Cilene Santana, que terá como meta conquistar 150 mil ativos nos próximos quatros anos. A integradora planeja intensificar sua prospecção nos setores de Telecomunicações, Finanças, Varejo e Farmacêutico.

“O modelo de outsourcing no Brasil está bem maduro se comparado há 10 anos. Vamos aproveitar este bom momento do mercado para alavancar a nossa oferta em prol do negócio do cliente”, pontua a executiva.