Hora de pegar o bonde de volta para casa? Foto: Pixabay.

Entre janeiro e junho deste ano, 222 brasileiros desistiram de morar em Portugal e voltaram ao Brasil com as passagens pagas pelo governo português, por meio do programa de Apoio ao Retorno Voluntário e à Reintegração (Árvore).

É quase o mesmo número que em todo o ano passado, quando 232 pessoas fizeram uso da possibilidade, segundo relata uma matéria do UOL.

Nos últimos anos, com a crise econômica no país, Portugal voltou a figurar nos sonhos de brasileiros em busca de perspectivas fora, muitos deles de classe média e alta.

O sonho não está dando certo, pelo menos para alguns. Apesar de corresponderem a 20% dos estrangeiros morando em Portugal, os brasileiros respondem por 86% dos pedidos de auxílio para voltar para casa. 

Um caso típico relatado na matéria é o de Daniel, um engenheiro que passou um ano no país trabalhando ilegalmente como entregador de pizza, sem salário fixo, ou o de Odirlei, um analista financeiro que trabalhava limpando uma academia.

Após ter o benefício concedido, o imigrante fica impedido de entrar em Portugal por três anos

Em 2013, no auge da crise econômica portuguesa, registrou-se pico de concessão desse tipo de ajuda para brasileiros: 593 viagens pagas. 

De 2016 para 2017, o Serviço de Estrangeiros e Fronteiras de Portugal concedeu mais de 4 mil novas autorizações de residência para brasileiros, que já somam mais de 85.426 no país, de longe a maior comunidade estrangeira.

O número não conta os pelo menos 2 mil brasileiros no país com passaporte italiano, além dos imigrantes ilegais, que permanecem além do prazo do visto de turista concedido na chegada.