Carlos Ayres Britto foi o keynote do evento.

Os principais candidatos à presidência deram bolo no setor de TI e não compareceram ao evento Brasil 2022, no qual as entidades do setor visavam promover sua agenda estratégica para a área de tecnologia.

No final, as figuras mais importantes a participar foram Kátia Abreu, candidata vice-presidente na chapa de Ciro Gomes (PDT) e Henrique Meirelles (MDB).

Segundo a pesquisa Ibope Estadão TV Globo divulgada nesta segunda-feira, 20, no cenário mais provável para as próximas eleições, sem a participação do ex-presidente Lula, Ciro tem 8% dos votos. Meirelles, apesar de ter o MDB por trás, está parado em 1%.

Além dos dois, participaram também João Amoedo, do Novo, e José Maria Eymael, do Democracia Cristã (sim, aquele do jingle “Ey-ey-ma-el, um de-mo-cra-ta cris-tão”), ambos também com 1%.

Um dia antes do evento, a Abes havia divulgado a previsão de participação de Ciro Gomes (PDT), da vice de Geraldo Alckmin, Ana Amélia Lemos (PP), Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT). Alckmin aparece com 7% nas pesquisas, Haddad com 4% e o Bolsonaro, com 20%.

Segundo o relato do site Convergência Digital, nada de muito surpreendente saiu da participação dos candidatos.

Meirelles prometeu a criação de um gabinete digital ligado diretamente à presidência.

Kátia abreu falou em "acabar com o preconceito e reduzir a distância entre mercado, academia e universidades".

O evento era liderado pela Abes, uma das maiores entidades do setor de TI, com o apoio da Acate, Assespro, Brasscom e Fenainfo, algumas das principais entidades de tecnologia do país.

Foi um evento de peso, com Carlos Ayres Britto. ex-Presidente do Supremo Tribunal Federal, como key note speaker.

O PIB de TI também esteve em peso, com um painel com participações de lideranças de grandes empresas no país como Antonio Martins (IBM), Laércio Consentino (Totvs), Paula Bellizia (Microsoft) e Maurício Ruiz (Intel)

O evento foi realizado relativamente cedo na campanha eleitoral, provavelmente com a intenção de pegar os candidatos com uma agenda mais  liberada. 

O nível de comparecimento dá uma amostra do posicionamento do setor de TI nas prioridades dos políticos.

A Abes está fazendo uma ofensiva de influência, com o lançamento do estudo "Brasil 2022", feito pelo seu recém criado think thank. 

A equipe do novo think tank tem alguns nomes de peso, como Marcelo Pagotti, ex-secretário da Setic no Ministério do Planejamento, que chegou a ser cotado para ser uma espécie de “CIO do governo federal”; Rodolfo Fucher, ex-diretor de Políticas Públicas da Microsoft e Patrícia Pessi, ex-diretora de Governo Eletrônico do Ministério de Planejamento.

O estudo discute "Como o Brasil pode conseguir a sua "Independência Digital" em 2022?" (fazendo alusão ao aniversário de 200 anos da Independência) e traz recomendações maior flexibilização das regras trabalhistas, regras específicas para licitação de software, criação de áreas livres de impostos para tecnologia, entre outros.